Em reencontro, Ceará tenta superar ‘trauma’ de eliminações contra o ASA

Time de Arapiraca superou Vovô na Copa do Nordeste e na Copa do Brasil. Cearenses reencontram ainda antigo treinador, Leandro Campos.

 

Espantar fantasmas e superar traumas. As missões não são fáceis, mas, se quiser abandonar a zona de rebaixamento da Série B do Campeonato Brasileiro, o Ceará precisa deixar para trás as lembranças mais recentes dos confrontos contra o ASA de Arapiraca e, com o apoio da torcida, recomeçar a história. Os dois times entram em campo neste sábado (13), às 21 horas, na Arena Castelão, pela oitava rodada da Segundona.

Nos últimos doze meses, os cearenses e os arapiraquenses já se enfrentaram em seis oportunidades, com três vitórias para o ASA, duas para o Ceará e um empate. Vale ressaltar, porém, que este ano o ASA foi o responsável por eliminações amargas para o Alvinegro de Porangabuçu em duas competições: a Copa do Nordeste, em pleno Castelão lotado, e a Copa do Brasil, no Estádio Presidente Vargas.

jogadores do ASA comemoram vitória sobre o Ceará (Foto: Ag. Estado)
Jogadores do ASA comemoram vitória sobre o Ceará, na Copa do Nordeste (Foto: Ag. Estado)

A partida deste sábado será, ainda, de reencontro. Após a saída de Ricardo Silva, Leandro Campos foi confirmado como novo treinador do ASA. O experiente treinador gaúcho estava à frente do time de Arapiraca na Copa do Nordeste. Depois, mudou de lado e sentiu, no Alvinegro de Porangabuçu, o sabor da queda na Copa do Brasil. Nesta semana, retornou ao ASA e faz o primeiro jogo justamente contra o clube do qual se despediu no início de junho.

Quedas em casa

Em 2012, Ceará e ASA duelaram duas vezes pela Segundona. Pela 12ª rodada, o Ceará venceu por 3 a 2. Pela 31ª rodada, o ASA descontou e goleou por 3 a 0. Em 2013, já foram quatro confrontos. Na primeira partida das semifinais do Nordestão, empate em 3 a 3, no estádio Fumeirão, em Arapiraca, em um jogo emocionante. Na volta, o cenário era perfeito para o Vovô, embalado pelos mais de 50 mil torcedores na Arena Castelão.

No entanto, o que se viu foi a festa da equipe visitante. Com gol de Léo Gamalho, aos 38 minutos do segundo tempo, o ASA calou as arquibancadas e, comandando por Leandro Campos, se classificou para a final, perdendo na decisão para o Campinense.

No encontro mais recente, pela Copa do Brasil, o Ceará também não teve final feliz no PV. Pela segunda fase, os arapiraquenses golearam na partida de ida, por 3 a 0, mas viram o Vovô fazer o mesmo placar em casa e levar a decisão para os pênaltis (Veja vídeo).

Nas cobranças, o time alagoano triunfou por 4 a 3 e assegurou vaga na terceira fase do torneio nacional. Pingo e Rafael Vaz desperdiçaram as cobranças para o Vovô. Na última quarta-feira, o ASA acabou sendo derrotado em casa pelo Flamengo, por 2 a 0, no primeiro jogo da terceira fase da competição.

Situação na Série B

Com sete pontos, o Ceará é o 17º na tabela da Segundona. O ASA tem o mesmo número de pontos e é o 16º, por ter uma vitória a mais.

Técnico do ASA - Leandro Campos (Foto: Leonardo Freire/GLOBOESPORTE.COM)
Treinador do ASA, Leandro Campos (Foto: Leonardo Freire/GLOBOESPORTE.COM)

Ingressos dos assentos laterais do Maracanã custarão R$ 100 e R$ 220

Clubes que firmarem contrato com o consórcio poderão escolher os preços dos 43 mil bilhetes a que terão direito, para a arquibancada atrás dos gols.

A dez dias da volta dos clubes ao Maracanã, foram divulgados os preços dos ingressos da arquibancada lateral do estádio, a qual a renda pertence ao Complexo Maracanã Entretenimento S.A. Serão 18 mil bilhetes a R$ 100 e sete mil da área VIP a R$ 220. Os dois mil camarotes serão comercializados preferencialmente com empresas, e os clubes que firmarem contrato com o consórcio poderão definir os valores das

A dez dias da volta dos clubes ao Maracanã, foram divulgados os preços dos ingressos da arquibancada lateral do estádio, a qual a renda pertence ao Complexo Maracanã Entretenimento S.A. Serão 18 mil bilhetes a R$ 100 e sete mil da área VIP a R$ 220. Os dois mil camarotes serão comercializados preferencialmente com empresas, e os clubes que firmarem contrato com o consórcio poderão definir os valores das 43 mil entradas a que terão direito, na parte atrás dos gols, durante os 35 anos de compromisso. Os preços começam a valer para o clássico entre Fluminense e Vasco, dia 21.

O Fluminense foi o primeiro a fechar o contrato com o consórcio, assinado na última quarta-feira. Para compensar o fato de não explorar as demais áreas, o clube exigiu que o custo das partidas fosse zero para os cofres do clube. O time ainda terá loja dentro do Maracanã e vestiário personalizado.

Regras de etiqueta

Em entrevista ao RJTV, João Borba, presidente do Complexo Maracanã Entretenimento S.A, revelou que o consórcio trabalha com um “termo de conduta” para os torcedores. Entre as regras, será proibido torcer em pé e entrar sem camisa no estádio. Outro veto estudado seria a instrumentos de percussão, bandeiras com bambus e gigantescos bandeirões. Além disso, após a Copa do Mundo do ano que vem, o concessionário planeja instalar grades ou vidros para separar as torcidas na arquibancada.

Nós estamos construindo um termo de ajustes de conduta. (…) Chegar a um modo em que não atrapalhe a pessoa do lado e todos tenham conforto. (…) Os bambus são uma coisa que não vai estar adequada nesse novo momento”
João Borba, presidente do Consórcio Maracanã

– Nós estamos construindo um termo de ajustes de conduta. A gente vai conversar com as autoridades, os clubes, e chegar a um modo em que não atrapalhe a pessoa do lado e todos tenham conforto para assistir aos jogos. Os bambus são uma coisa que não vai estar adequada para esse novo momento – explicou Borba.

Mas no fim da tarde desta quinta-feira, a assessoria de imprensa do consórcio negou que tenha proibido bandeiras e instrumentos musicais no Maracanã.

“O Complexo Maracanã Entretenimento S.A esclarece que em nenhum momento falou em proibição de bandeiras e instrumentos musicais durante os jogos de futebol. O que a concessionária propõe é que os clubes dialoguem com seus respectivos torcedores para que, por meio de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), prevaleça no Maracanã o tripé conforto, segurança e acessibilidade em benefício de todos”.

‘Punição’ de treinador abriu caminho para volta de Juninho ao Vasco

Brasileiro pediu rescisão com New York RB depois que técnico, dois anos mais novo que o meia, reprovou decisão de se poupar e o colocou no banco.

 

Juninho Pernambucano New York RB (Foto: Getty Images)

Em ação nos EUA, Juninho volta para sua terceira
passagem retorna pela (Foto: Getty Images)

Com aluguel e escola das filhas pagos até o fim de 2013, Juninho Pernambucano tinha a certeza de que cumpriria o contrato com o New York RB e aproveitaria da melhor maneira a experiência de viver nos Estados Unidos. Mas um desentendimento com o técnico Mike Petke fez o apoiador de 38 anos interromper de forma abrupta seu “sonho americano”, abrindo caminho para o retorno ao Vasco.

Após cumprir suspensão automática na derrota de sua equipe por 3 a 0 para o Philadelphia Union, dia 23 de junho, Juninho voltou aos treinamentos na segunda-feira seguinte, iniciando a preparação para enfrentar o Houston Dynamo. Após alguns dias de atividades fortes, o meia alegou desgaste e pediu para não treinar na sexta-feira, dois dias antes da partida. Foi então que teve início seu desentendimento com Petke, dois anos mais novo do que ele.

O treinador o chamou para uma conversa, e Juninho manteve firme sua decisão de se poupar naquele dia. No sábado, Mike Petke comunicou a Juninho que ele ficaria no banco contra o Houston, e o brasileiro prontamente reagiu à espécie de “punição”:

– Então amanhã é meu último dia aqui – avisou.

Juninho foi relacionado para o jogo contra o Houston, mas não saiu do banco de reservas. O domingo dia 30 de junho marcou sua despedida do New York RB, e no dia seguinte o apoiador já não apareceu mais para treinar, acertando sua rescisão apesar dos apelos dos dirigentes. Pouco tempo depois recebeu os primeiros contatos do Vasco.

Inicialmente disposto a se aposentar, não resistiu a mais um convite para voltar ao clube que é sua casa e ser o principal nome que, dentro de campo, vai tentar ajudar o Vasco a reagir.

Juninho Pernambucano volta ao Vasco

Sete meses depois do adeus, Reizinho retorna para encerrar a carreira no Vasco. Jogador só recebe atrasados quando entrarem novos parceiros.

Juninho pernambucano apresentação vasco 2011 (Foto: Andre Durão)

Juninho no retorno de 2011: bases contratuais são
semelhantes em novo vínculo (Foto: Andre Durão)

Foram 207 dias longe de São Januário. Do dia 17 de dezembro de 2012, quando foi anunciado oficialmente pelo New York RB, até esta manhã de 12 de julho, Juninho esteve distante da torcida vascaína, que ficou dividida entre a compreensão e o desgosto pela maneira como um dos maiores ídolos da história do Vasco deixou o clube. Com críticas duras à administração e ao ambiente político, o eterno Reizinho, sete meses depois de uma mal-sucedida passagem pelo futebol americano, já ganhou imediamente de volta o carinho de alguns torcedores quando se desligou do New York RB. Em novo contrato, que será assinado nesta manhã de sexta-feira, Juninho vai receber até o fim do ano um salário mínimo (R$ 678), mais as parcelas mensais da dívida de mais de R$ 500 mil de sua última passagem por São Januário. Também está prevista uma premiação por metas alcançadas, que ainda serão definidas.

A volta de Juninho foi rápida, “sem novela”, como imaginava o diretor executivo de futebol Ricardo Gomes. Desde o primeiro contato houve o interesse mútuo. Na conversa esta semana, o Vasco chegou a propor um contrato de um ano com o meia de 38 anos. Mas Juninho preferiu assinar somente até o fim do ano. Em dezembro, no fim da temporada, o jogador vai avaliar se segue jogando ou se se aposenta. Juninho já tem proposta para trabalhar como comentarista na Copa do Mundo do ano que vem no Brasil e pode usar o tempo até o Mundial para se preparar para a função. Mas também não descarta, se estiver se sentindo bem fisicamente, jogar o Carioca ou, quem sabe, uma Libertadores da América – apesar de não estar entre os favoritos para a vaga no Brasileirão, o Vasco pode se classificar pela Copa do Brasil.  Por enquanto ainda não foi discutida nem imaginada uma partida de despedida para o camisa 8 vascaíno.

juninho pernambucano vasco treino (Foto: Alexandre Cassiano / O Globo)
Obcecado por treinos, Juninho terá programação especial no Brasileiro (Foto: Alexandre Cassiano / O Globo)

No novo contrato, Juninho e o Vasco acertaram o reparcelamento da dívida do clube com o jogador. No último compromisso, que causou polêmica e motivou reclamações do jogador pelo vazamento das informações, Juninho recebia (R$ 50 mil) por partida, mais uma bonificação por gols marcados. Dessa vez, o meia repete o contrato de sua volta ao futebol brasileiro em 2011, com salário mínimo e metas a serem definidas. As partes combinaram que a dívida será paga quando o clube começar a se reorganizar financeiramente. Ou seja, assim que os acordos para reorganização das dívidas tributárias sejam rearrumados e, em consequência disso, os patrocinadores entrem com receitas no caixa vascaíno.

Juninho também deixou claro que não vai ser possível jogar todas as partidas no ritmo intenso e de muitas viagens como é disputado o Brasileiro. A ideia é combinar com a comissão técnica o melhor aproveitamento do jogador, que fez um ótimo primeiro turno, classificado entre os melhores jogadores do Brasileiro de 2012, mas depois caiu na reta final, junto com o time.

Com todas as arestas ajustadas, o objetivo é que a última fase da carreira de Juninho, que já deve sentir novamente o carinho dos vascaínos no treino desta sexta-feira, seja sem polêmicas. No fim do ano passado, o Reizinho manifestou preocupação com o nível do time para este ano, mas gostou do planejamento que a direção do futebol e a diretoria do clube o apresentaram.

“Conexão Repórter”, em edição sobre “Chiquititas”, amarga baixo Ibope

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/eccc059b8874da073bb2842d083df704.jpg

 

A edição desta quinta-feira (11) do “Conexão Repórter”, que foi dedicada aos bastidores de “Chiquititas”, a próxima novela do SBT, não teve bons índices de audiência.
O jornalístico de Roberto Cabrini obteve média de 4 pontos, uma das mais baixas de todo o ano. Ainda assim, a atração ocupou a vice-liderança no ranking do Ibope. A Record, com “Dr. House” e parte da programação da Igreja Universal, também registrou 4 pontos e empatou na segunda colocação com o canal de Silvio Santos.
Em tempo:
A edição especial do “Conexão Repórter” com os bastidores de “Carrossel”, que foi ao ar em em 2012, alcançou 8 pontos de média. Entretanto, diferente de “Chiquititas”, os bastidores de “Carrossel” foram abordados pelo programa pouco mais de dois meses após sua estreia.
Esses índices são prévios e são baseados na preferência de um grupo de telespectadores da Grande São Paulo. Dados consolidados podem mudar para mais ou para menos.
NaTelinha

C´est fini-Rachid Camargo comemorou entrada de música dele em trilha sonora de trama da Globo-Flávio Ricco volta amanhã às 18h00 de Juazeiro do Norte

 

 

Uma das novas promessas do sertanejo universitário, Rachid Camargo comemorou com uma grande festa, no Rio, a entrada de “Helicóptero e Avião”, uma das músicas de seu novo disco, na trilha de “Malhação”.

O evento, no último fim de semana, contou com as presenças de Glenda Kozlowski, Tato Malzoni, Carol Magalhães, Letícia Wiermann e Alexandre Moretzsohn, entre muitos outros.

Então é isso. Mas amanhã tem mais. Tchau!

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Flávio Ricco elogia o seriado Tapas & Beijos

 

 

Não há nenhum exagero em afirmar que o “Tapas & Beijos” foi um dos maiores acertos da Globo nos últimos tempos…
… E o seu elenco parece, a cada semana, mais afinado.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Na Moral 18/07/2013

 

Antonio Fagundes, atualmente em “Amor à Vida”, gravou o “Na Moral”, do Pedro Bial, que será apresentado na próxima quinta-feira, 18.
O tema “Honestidade e Corrupção” será colocado nos moldes do “Você Decide”, com participação do público.
No encerramento, o Bial fará uma entrada ao vivo para anunciar o resultado da enquete.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery