Botafogo 1 x 0 Fluminense

O tempo só faz Clarence Seedorf melhorar. Um dia depois de completar um ano como jogador do Botafogo, o holandês foi novamente o diferencial de sua equipe. Graças a ele, o Alvinegro venceu clássico muito equilibrado contra o Fluminense, no início da noite deste domingo, na Arena Pernambuco, e pulou para a liderança do Campeonato Brasileiro. Foi do camisa 10 o único gol da partida, aos 39 minutos do segundo tempo.

Seedorf Botafogo x Fluminense (Foto: Allan Torres / Ag. Estado)
Seedorf é novamente decisivo: gol e liderança na Arena Pernambuco (Foto: Allan Torres / Ag. Estado)

Os tricolores poderão argumentar, com razão, que o placar foi um tanto cruel com o atual campeão brasileiro. O Flu foi melhor no primeiro tempo. No segundo, começou mal, mas logo equilibrou novamente a partida. E aí levou um gol fatal do craque adversário.

A vitória alçou o Botafogo a 13 pontos, um a mais que o Coritiba, o vice-líder. O Flu, com nove, é o quarto. Na próxima rodada, os tricolores recebem o Inter no sábado, em Macaé, e os alvinegros encaram o Grêmio no domingo, na Arena.

Flu é melhor no primeiro tempo

Fred Fluminense x Botafogo (Foto: Anderson Stevens / Photocâmera)
Com Fred no ataque, Flu é superior  no primeiro
tempo (Foto: Anderson Stevens / Photocâmera)

Se houvesse um júri que determinasse um vencedor para o primeiro tempo, os votos seriam para o Fluminense. Não foi avassalador, não houve esmagamentos, não teve nada de pressão insustentável, mas o Tricolor foi superior ao Botafogo na primeira metade do jogo. Os comandados de Abelão tiveram mais a bola (56% a 44%) e souberam o que fazer com ela (nove finalizações, contra três do adversário). Faltou o gol.

O Flu foi melhor desde o começo., explorando os lados do campo, especialmente a direita. Com três minutos, já teve a primeira chance, em bola alçada por Wagner e desviada por Fred, mas sem força para assustar Jefferson. O meia, pouco depois, arriscou chute forte, desviado na zaga. Conclusão de Bruno, chute de Fred e cabeceio de Gum foram outras boas oportunidades para os tricolores. Faltou perícia na hora de finalizar.

O Botafogo foi mais tímido. Saiu menos. Mesmo assim, teve alguns lampejos ofensivos. No melhor deles, Seedorf avançou pela direita e cruzou na área. Rafael Marques, porém, não conseguiu concluir.

Botafogo reage e vence o jogo

A largada do segundo tempo mostrou uma inversão de papéis entre as duas equipes. O Botafogo voltou dominante. Parecia outro time. Passou a rondar a área adversária, algo que não fizera no período anterior, e a arriscar a gol. Dois chutes quase sequenciais, um de Vitinho e outro de Dória, ameaçaram.

Mas o Flu, aos poucos, voltou para a partida. Rafael Sobis, aos 21 minutos, partiu em direção ao gol, foi acossado por Dória pelas costas e desarmado por Jefferson na frente. Pediu pênalti. Foi um lance duvidoso – o goleiro desvia a bola, mas atropela o atacante. Fred, bem marcado especialmente por Dória, guerreou por cada centímetro da área alvinegra, ciente de que qualquer detalhe poderia mudar o jogo. Mas não teve sucesso.

Parecia claro que o jogo terminaria empatado. Só parecia. Seedorf, aos 39 minutos, foi o ponto de desequilíbrio. Ele mandou chute forte de fora da área. A bola quicou e venceu o goleiro Diego Cavalieri. Gol do Botafogo. Gol da vitória.

 

Carrossel 08/07/2013

Monk

Natalie Teeger

 

Rosana se preocupa com Jorge, pois o garoto continua triste pelo sumiço de Maria Antonieta. Jorge culpa a mãe por não ter amigos. Mário não consegue dormir, pois sente falta de Rabito. Natália e Germano tranquilizam o garoto. Mário decide sair escondido, no meio da noite, para procurar Rabito e envia uma mensagem para Cirilo. O garoto chama Maria Joaquina, pela janela, e avisa que Mário pediu ajuda para procurar Rabito. A patricinha diz que também irá ajudar e chama seu motorista para acompanhá-los.  Os três amigos se reúnem na casa de Cirilo. Maria Joaquina dá a sugestão de chamar Jorge, assim também poderiam procurar Maria Antonieta. Enquanto isso, Rabito leva sua namorada a um restaurante italiano. O cachorro apresenta Maria Antonieta ao seu amigo, o Chefe de Cozinha (Olivier Anquier). O cozinheiro decide preparar um jantar especial para os cachorros. Jorge recebe uma mensagem de Maria Joaquina e fica animado para encontrar Maria Antonieta. Os quatro amigos procuram os mascotes pelas ruas, quando encontram Rabito e a namorada jantando ao luar. As crianças ficam felizes ao encontrá-los e observam o casal canino apaixonado. Jorge fica irritado ao ver Maria Antonieta com Rabito. O riquinho e Mário começam a discutir, pois Jorge destrata seu cachorro. As crianças vão à casa de Mário e prometem não contar para ninguém que saíram à noite para procurar os cachorros. Cirilo e Maria Joaquina conversam em frente à casa da patricinha. A garota é gentil com o menino e diz que achou a noite legal. Os dois se despedem com um abraço. Cirilo chega em casa abismado com a atitude de Maria Joaquina. O garoto acaba dormindo no sofá e sonha com a amada. Em seu sonho, Cirilo é acordado por seus pais, que o avisam que tem um caminhão de mudança em frente da casa de Maria Joaquina. Desesperado, Cirilo vai ao encontro de sua amada que diz que irá se mudar por não aguentar mais ser sua vizinha. Ao acordar, o garoto se sente aliviado por ter sido apenas um sonho.  Natália fica aliviada pela volta de Rabito, mas percebe que o cachorro está desanimado. Mário desconfia que seu mascote esteja apaixonado. O garoto vai à casa de Jorge. Rosana fica irritada pela presença de Mário. O riquinho manda dizer que ele não está e Alberto recrimina a atitude de seu filho. Mário está decidido que ele e Jorge precisam tomar uma decisão em relação aos seus cachorros.

Pilotos tentaram abortar pouso pouco antes de acidente com avião nos EUA

Gravação mostra que equipe tentou manobrar avião antes do impacto.
Não havia indicação de problema segundos antes do acidente, diz comitê.

Destroços do avião acidentado no aeroporto de San Francisco (Foto: AP)

Destroços do avião acidentado no aeroporto de San Francisco (Foto: AP)

Os pilotos do avião Boeing 777 tentaram abortar o pouso segundos antes do acidente ocorrido neste sábado (6) no Aeroporto de San Francisco, nos Estados Unidos, apontam gravações do cockpit da aeronave contidas na caixa-preta citadas por emissoras de TV americanas.

As gravações foram recuperadas mais cedo, neste domingo (7), por uma equipe do Comitê Nacional pela Segurança do Transporte dos EUA (NTSB, na sigla em inglês), que investiga as causas do acidente, informa a agência Reuters.

Os pilotos também tentaram aumentar a velocidade e manobrar o avião na hora do pouso, pouco antes do acidente. A presidente do NTSB, Deborah Hersman, disse em uma entrevista coletiva que não havia indicações de problemas na aeronave ou com a aterrissagem até 7 segundos antes do impacto, quando a equipe no comando do Boeing 777 tentou acelerá-lo.

Mapa (Foto: Arte/G1)

Velocidade baixa
A velocidade do avião estava abaixo do ritmo normal no momento do pouso, que é de 137 nós, de acordo com a Reuters. Um alarme de “stall” foi ativado 4 segundos antes do impacto.

A presidente do NTSB afirmou ainda que os controladores aéreos não perceberam nenhum problema no voo até que a cauda do avião bateu na área de aproximação de uma passarela, próxima da pista de pouso.

As caixas-pretas do Boeing 777, com gravações da cabine do piloto e das informações do voo, foram recuperadas e enviadas a Washington para serem analisadas por técnicos. A Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) também investiga o acidente.

A Asiana Airlines, empresa que operava o voo, disse neste domingo que especialistas coreanos em acidentes estavam a caminho de San Francisco para ajudar na apuração. A companhia praticamente descartou a possibilidade de ter ocorrido uma falha mecânica.

A Asiana disse não poder apontar se a culpa foi dos pilotos ou da torre de controle do Aeroporto de San Francisco, afirma a Reuters. Ainda neste domingo (7), a presidente do NTSB disse que não há indicação de que houve atentado terrorista ou ato criminoso que justificasse o acidente. Ela, no entanto, pediu cautela. “Tudo ainda está sobre a mesa”, disse.

Os pilotos devem ser ouvidos nos próximos dias. Também devem ser analisados os dados das caixas-pretas, equipamentos de radar e outras informações que ajudem a identificar a causa do acidente, disse Hersman à emissora de TV “CNN”.

Fotos tiradas por sobreviventes mostraram passageiros correndo para longe do avião, após o acidente. Uma espessa fumaça subia da fuselagem, e imagens de TV mostraram mais tarde o avião sem parte da causa e semi-destruído.

Paralisados
Pelo menos dois feridos no acidente perderam os movimentos dos membros, mas o número deve ser maior, disse a chefe de cirurgia do Hospital Geral de San Francisco, Margaret Knudson, à emissora “CNN”. Entre os feridos há pessoas com traumatismo craniano, fraturas na coluna e danos no abdômen.

Muitos passageiros tiveram danos na pele semelhantes ao de pessoas jogadas ao asfalto em alta velocidade, disse a chefe de cirurgia. O avião, um Boeing 777, perdeu parte da cauda e teve a fuselagem superior, acima de onde ficam os passageiros, incendiada e destruída.

Instrumento desligado
Um instrumento do Aeroporto de San Francisco usado para ajudar pilotos na hora de pousar estava desativado na hora do acidente, afirmou a Federação Nacional de Aviação (FAA), entidade que fiscaliza o setor nos EUA.

Chamado de Instrumento de Sistema de Pouso (ILS, na sigla em inglês), o mecanismo está sendo analisado pelas equipes que investigam as causas do acidente. A ideia é saber se a desativação contribuiu ou não com a queda da aeronave, ressalta a agência de notícias Associated Press.

O ILS ativa um sinal sonoro ao cockpit do avião e emite alarmes no caso de problema com a altura do voo, disse o consultor Mark Weiss à “CNN”.

Weiss é piloto aposentado do mesmo modelo de avião que caiu em San Francisco, o Boeing 777. “Você escuta uma voz mecânica dizendo ‘muito baixo, muito baixo’. É bom que funcione, mas não tem papel fundamental no 777”, afirmou.

“Há vários sistemas que auxiliam os pilotos” no voo e no pouso, disse Deborah Hersman, diretora do Comitê Nacional Pela Segurança no Transporte, em entrevista à “CNN”.

Duas mortes
As pessoas mortas no acidente com o avião da empresa Asiana Airlines são duas estudantes chinesas de 16 anos e foram identificadas, informou a agência de notícias Associated Press. Ye Mengyuan e Wang Linjia estudavam em uma escola no leste da China. Dos 291 passageiros do avião, 141 eram chineses.

A companhia sul-coreana não acredita que o acidente foi causado por falha mecânica. No entanto, a empresa recusou-se a dizer que a culpa do acidente foi por um erro do piloto – a Asiana afirmou que os três capitães da aeronave foram treinados em conformidade com os regulamentos coreanos e tinham mais de 10 mil horas de vôo de experiência.

“Por enquanto, nós reconhecemos que não houve problemas causados ​​pelo avião ou pelos motores”,  disse Yoon Young-doo, presidente e CEO da companhia aérea, em uma entrevista coletiva de imprensa neste domingo, na sede da empresa, informou a agência de notícias Reuters.

 

G1

Cerca de 1500 pessoas acompanham a Parada Gay em Palmas

Um beijaço aconteceu em frente ao Paço Municipal.
A caminhada segue pela avenida Palmas Brasil.

Direitos são reivindicados na 10º Parada da Diversidade (Foto: Bernardo Gravito/G1)

Direitos são reivindicados na 10º Parada da Diversidade (Foto: Bernardo Gravito/G1)

O grupo se reuniu no Parque Cesamar e saiu pelas ruas de Palmas às 18h deste domingo (7). Cerca de 1500 acompanham o trio elétrico da 10° Parada da Diversidade, que este ano tem como tema “Igualdade, Respeito e Cidadania. Tocantins livre da Homofobia já!”, fazendo menção a um problema combatido pelo movimento LGBT no Brasil.

De acordo com o Grupo Ipê Amarelo de Conscientização e Luta pela Livre Orientação Sexual (GIAMA) informou que de janeiro até agora foram registradas 150 denúncias de crimes de violação de direito no Tocantins.

Outros grupos também participam do movimento, como o grupo Elas e Elas, que luta pelos direitos de igualdade dos homossexuais. O grupo é de Palmas participa pela 4° vez da parada. Um beijaço aconteceu em frente a praça do Paço Municipal. A caminhada seguiu pela Avenida Palmas Brasil.

 

G1

Parada Gay leva multidão para Avenida Beira-Mar

Tema de 2013 foi ‘LGBTs no armário nunca mais! União e conscientização na luta contra o fundamentalismo

A Avenida Beira-Mar recebeu uma multidão na tarde deste domingo (7) para a 14ª Parada pela Diversidade Sexual do Ceará. Realizado pelo Grupo de Resistência ASA Branca (GRAB), a edição de 2013 celebrou conquistas como o arquivamento da “Cura Gay” e também marcou pelos protestos pedindo a saída do deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) da presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal. A estimativa de público é de 1 milhão de pessoas, a mesma registrada pela Polícia Militar em 2012.

Segundo a diretora do GRAB, Dediane Souza, o destaque deste ano ficou com o tema da parada “LGBTs no armário nunca mais! União e Conscientização na luta contra o fundamentalismo”. “É importante a gente pautar a questão do fundamentalismo e do retrocesso das lutas LGBTs porque temos que garantir os direitos das pessoas que se autoafirmam LGBT. Essas pessoas não podem viver no anonimato e esperamos que o Estado garanta o direito da população LGBT. Também pedimos que o fundamentalismo religioso não interfira na construção desses direitos”, Explica Dediane.

A concentração na Avenida Beira-Mar iniciou por volta das 15h e os oito trios elétricos sairam em direção ao Aterro da Praia de Iracema às 17h. O promoter João Neto, de 27 anos, aproveita o evento para reforçar as reivindicações da população LGBT. “A parada gay é importante para a gente lutar pelos nossos direitos. Essa questão do deputado Marco Feliciano querer mostrar que ser gay é uma doença isso é não é verdade. Todos sabem que nós não escolhemos ser assim. A gente nasce gay. Temos todos os direitos de lutar pelo que achamos justo. Isso é uma das bandeiras que levanto na parada gay”. disse.

A parada pela Diversidade Sexual do Ceará atrai públicos de todas as idades. são pessoas que se identificam com a luta do movimento. “Eu sempre tinha curiosidade de acompanhar esse evento e esse ano deu certo. Gosto muito do jeito dos gays. Eles estão mostrando o que são. A pessoa tem que assumir o jeito que é. Ser gay não é uma coisa de outro mundo. É uma opção de cada um e isso é normal” comentou a doméstica Maria das Dores, de 57 anos, que foi para a Av. Beira-Mar só para prestigiar o evento.

edição 2013 da parada gay contou com um efetivo de 190 homens da Polícia Militar, 80 agentes da Guarda Municipal e mais 10 Guardas Vidas. A Parada pela Diversidade Sexual do Ceará faz alusão ao Dia Mundial do orgulho Gay e LGBT, celebrado no dia 28 de junho.

Tabela da Serie B após a sétima rodada

CLASSIFICAÇÃO P J V E D GP GC SG %
1
Chapecoense
19
7
6
1
0
18
5
13
90.5
2
Joinville
15
7
5
0
2
16
7
9
71.4
3
Palmeiras
15
7
5
0
2
12
3
9
71.4
4
Figueirense
13
7
4
1
2
14
10
4
61.9
5
América-MG
13
7
4
1
2
13
12
1
61.9
6
Sport
12
7
4
0
3
12
10
2
57.1
7
Paraná
11
7
3
2
2
6
5
1
52.4
8
Icasa
10
7
3
1
3
12
11
1
47.6
9
Bragantino
10
7
3
1
3
6
6
0
47.6
10
Atlético-GO
10
7
3
1
3
6
9
-3
47.6
11
São Caetano
9
7
2
3
2
7
4
3
42.9
12
Paysandu
8
7
2
2
3
10
10
0
38.1
13
Avaí
8
7
2
2
3
9
11
-2
38.1
14
Boa Esporte
8
7
2
2
3
6
11
-5
38.1
15
Oeste
8
7
2
2
3
8
14
-6
38.1
16
ASA
7
7
2
1
4
6
11
-5
33.3
17
Ceará
7
7
1
4
2
6
7
-1
33.3
18
América-RN
6
7
1
3
3
8
12
-4
28.6
19
Guaratinguetá
4
7
1
1
5
9
17
-8
19
20
ABC
2
7
0
2
5
3
12
-9
9.5

Bragantino 0 x 1 América de Natal

Semestre novo, vida nova. Se antes da pausa na Série B do Brasileirão para a disputa da Copa das Confederações, o América-RN não havia vencido nas seis primeiras rodadas da competição, tratou logo de mudar tal escrita. Na retomada do campeonato, os potiguares bateram o Bragantino por 1 a 0, na noite desta terça-feira no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, pela sétima rodada da Segundona. Se futebol é momento, nada adiantou os quatro jogos de invencibilidade que o Massa Bruta levou para a partida. A equipe paulista conheceu a primeira derrota sob o comando do técnico Vagner Benazzi.

Vinícius Pacheco, camisa 10 do Dragão, marcou o gol da vitória do América-RN, que abriu o placar no primeiro tempo e se segurou na segunda etapa para conquistar a vitória que o levou para os seis pontos, na 18ª colocação, ainda na zona de rebaixamento. Já o Braga permanece com dez pontos e cai para a sétima colocação, posição que pode piorar até o final da rodada, no próximo final de semana.

Ambas as equipes terão mais de uma semana para ajustarem as equipes antes de voltarem a campo, somente no próximo dia 13, um sábado. O Massa Bruta encara o América-MG, às 16h20m, no estádio Independência. No mesmo dia e horário, o Mecão recebe o Sport no Barretão.

Leo Jaime Bragantino x América RN (Foto: Filipe Granado / Ag. Estado)
América RN conheceu sua primeira vitória, e Braga a primeira derrota sob o comando de Vagner Benazzi (Foto: Filipe Granado / Ag. Estado)

Após começo lento, Roberto Fernandes muda o jogo

As equipes pareciam ter levado o ritmo de treinamento das duas últimas semanas para o campo, iniciando a partida lentos, com muitos erros de passe. Após os dez minutos iniciais, os times foram se encontrando em campo, diminuindo os erros. Atuando em casa, o Braga buscava se impor avançando pelas laterais, com as descidas de Diego Macedo pela direita e Léo Jaime na esquerda, sempre procurando o centroacante Lincom como referência na área. A cada bola tomada, o América-RN logo tentava acionar Tiago Adan, sempre colocado entre o trio de defensores da equipe paulista.

Vendo os alas do Braga levaram a melhor no duelo pelas laterais, o técnico do Dragão, Roberto Fernandes mudou seu esquema de jogo, recuando o volante Márcio Passos para a zaga, deslocando Raí para o meio campo, abandonando seu 4-4-2 para igualar o 3-5-2 do time da casa. Deu certo, e a superioridade inicial do Massa Bruta acabou depois dos 20 minutos. Em jogadas de velocidade, o Mecão começou a levar perigo ao gol de Rafael Defendi, que aos 30 minutos já tinha feito duas boas defesas em jogadas do veloz Alex. Mas, aos 35, não deu para o goleiro do Braga. Vinícius Pacheco recebeu em velocidade na intermediária de ataque, avançou até próximo à meia-lua e acertou um belo chute de direita para abrir o placar no Nabizão: 1 a 0. Os minutos finais da primeira etapa foram de pressão do Braga, mas o América-RN se segurou na defesa e levou a vantagem parcial para o intervalo.

Braga pressiona, e Dragão se segura

Atrás no placar, o Massa Bruta aumentou o ritmo na volta do segundo tempo, tentando usar a mesma tática da primeira etapa, atacando pelas laterais. A entrada do veloz Tiaguinho no lugar do meia Bruninho melhorou o Braga, que por outro lado deixava a defesa aberta, facilitando os cada vez mais perigosos contragolpes do Mecão. A partir dos 20 minutos, o time da casa passou a dominar as ações, empurrando a equipe potiguar para a defesa. Foi aí que Lincom mostrou estar em noite pouco inspirada, perdendo gols que não está acostumado.

Na parte final do jogo, o Braga ampliou a blitz, mas parou em uma defesa firme do América-RN, que ainda desperdiçou algumas chances de matar o jogo no contra-ataque. No último lance do jogo, Rafael Defendi tentou a sorte na área adversária, mas o dia era do time potiguar.

Figueirense 3 x 0 Boa Esporte

O Figueirense não chegava à vitória desde a terceira rodada do campeonato. O Boa Esporte vinha de uma invencibilidade fora de casa. Pois na noite deste sábado, em Florianópolis, tudo mudou. No último triunfo, contra o Sport, o Figueira fez três gols. Diante do time mineiro, os catarinenses voltaram a balançar a rede três vezes, para acabar com a boa campanha do Boa longe de casa. A vitória recoloca o Alvinegro, agora com 13 pontos, de volta ao G-4 da Série B do Campeonato Brasileiro. O time agora é o quarto. O Boa é o 14º, com oito pontos.

No primeiro tempo, restou aos 2.867 torcedores presentes no Orlando Scarpelli comentarem as lesões de Luan e Ronaldo Tres, que substituiu o primeiro, em menos de 20 minutos. O papo mudou na etapa final, quando o time da casa chegou à vitória com Rafael Costa e Ricardo Bueno, duas vezes, que fez sua estreia com a camisa do Furacão do Estreito.

Pela terceira vez em quatro rodadas, o time catarinense volta a pegar a estrada. Na sexta-feira, o Figueira vai a Goiânia enfrentar o Atlético-GO, no Serra Dourada. Já o Boa Esporte continua longe de casa. No interior de São Paulo, os mineiros medem forças contra o Oeste, em Itápolis, já na terça-feira.

Rafael costa gol Figueirense (Foto: Antônio carlos Mafalda / Ag. Estado)
Rafa Costa abriu caminho da vitória do Figueira sobre Boa por 3 a 0 (Foto: Antônio Carlos Mafalda/Ag. Estado)

Lesões roubam a cena no início

Com um time mais ofensivo em relação aos últimos jogos, o Figueirense tratou de tomar a iniciativa do jogo. Ou pelo menos tentar. Com Tchô e Rodrigo como meias de armação, coube aos atacantes Ricardinho e Rafael Costa apenas a função de finalizar. Ou fazer o melhor. As melhores chances, no entanto, demoraram a acontecer. Antes, o time da casa viu seu banco de reservas trabalhar. Em menos de 20 minutos, o técnico Adilson Batista perdeu os volantes Luan e Ronaldo Tres, lesionados. Curiosamente, o segundo substituiu o primeiro. André Rocha foi o escolhido para fazer o papel de marcador no meio, já que fora preterido para a entrada de William na direita.

Antes acuado, o Boa Esporte começou a se assanhar. Liderado pelo experiente Marcelinho Paraíba, os mineiros assustavam com o atacante Marcelo Macedo, ex-jogador do Figueira. Como de costume, os principais lances do time de Varginha saíram de bola parada, sempre com Marcelinho. O pé esquerdo do jogador, no entanto, não parecia calibrado, e Tiago Volpi não teve trabalho. O camisa 1 alvinegro só trabalhou aos 31 minutos, num chute de longe e rasteiro de Rodrigo Souza. O lance do Boa foi em reposta à tentativa de Rafael Costa, aos 27, que finalizou torto na pequena área após cruzamento de Ricardinho pela direita, sem sucesso.

Ataque cumpre papel e Figueira chega à vitória

Se etapa inicial os lances de perigo demoraram a aparecer, no segundo tempo a torcida da casa já lamentava duas chances de gol criadas. Primeiro com Tchô, chutando no bico da grande área, mas por cima do gol de Leandro. Depois, aos cinco minutos, Ricardinho tentou também num chute de fora, que fez o goleiro do time mineiro pular para garantir que a bola não entrasse. A tentativa seguinte, porém, não teve jeito. Aos 13 minutos, Tchô e Rafael Costa trocaram de papel. Após levantamento de Ricardinho, o meia atrapalhou o zagueiro Airton, que cortou de cabeça para fora da área, logo nos pés do camisa 9 alvinegro. Rafa Costa não marcava desde a terceira rodada, quando era artilheiro isolado do campeonato.

O gol sofrido pelo Boa Esporte não fez o time acordar. O técnico Nedo Xavier tentou mudar os atacantes, mas não teve êxito. Do outro lado, a mudaça de homem-gol no time da casa deu certo. Autor do primeiro gol, Rafael Costa sentiu dores no joelho e saiu o jogo. Menos mal que seu substituto Ricardo Bueno, que fazia sua estreia, entrou com estrela. Aos 31, o camisa 20 bloqueou o chutão do goleiro Leandro, viu a bola sobrar para ele, que invadiu a área e tocou para o fundo das redes, facilmente. O atacante voltou a brilhar aos 38. Ele fez linda tabela com Rodrigo, ficou de frente para o gol e encaixou a bola no cantinho, para sacramentar a vitória alvinegra por 3 a 0 em grande noite do estreante.

Icasa 1 x 0 Ceará

No duelo entre os novos treinadores Sidney Moraes e Sérgio Guedes, deu Sidney Moraes. E com ele, veio a vitória do Icasa, por 1 a 0, no Estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte, sobre o Ceará, pela 7ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Em uma partida com pouca técnica e muita correria, o Verdão do Cariri soube aproveitar as principais jogadas e marcar bem a saída de bola do adversário. E coube a Carlinhos garantir os três pontos com um chute preciso de fora da área. O suficiente para vencer o goleiro Fernando Henrique e definir, ainda no início do segundo tempo, os três pontos e a subida na tabela.

Por outro lado, o Ceará pouco criou e chegou ao ataque em jogadas isoladas. O time, renovado apenas fora de campo, repetiu as atuações de altos e baixos de antes da parada para a Copa das Confederações. As alterações feitas pelo técnico Sérgio Guedes não surtiram efeito e o Alvinegro de Porangabuçu só conseguiu finalizar em lances isolados de contra-ataque.

O resultado no Romeirão deixa o Icasa bem posicionado, na 8ª colocação, com 10 pontos conquistados. Na parte de baixo da tabela, o Vovô abre a zona de rebaixamento, na 17ª posição, com 7 pontos ganhos.

Na próxima rodada, o Icasa enfrenta o Guaratinguetá, fora de casa, no sábado (13), no Estádio Dario Rodrigues Leite, às 21h. Em mesmo dia e horário, o Ceará recebe o ASA-AL, na Arena Castelão, em Fortaleza.

Icasa x Ceará pela Série B, no Estádio Romeirão (Foto: Normando Sóracles/ Agencia Miséria)
Fernando Henrique só resistiu à pressão do Icasa no primeiro tempo. Depois, a meta caiu
(Foto: Normando Sóracles/ Agencia Miséria)

Sem empolgação

É verdade que não faltou correria em campo. Mas o primeiro tempo de Icasa x Ceará careceu de finalizações corretas e lances perigosos. Foi apenas um em 45 minutos. E ocorreu aos 22, quando Raphael Macena fez jogada individual, mas finalizou com um chute fraco, defendido por João Ricardo, do Icasa.

Os donos da casa praticamente não chutaram a gol. E quando o fizeram, não houve mira. Chapinha foi quem chegou mais perto, já no fim da primeira etapa, quando ele emendou chute em cruzamento para a grande área. Mas a bola passou bem longe da meta alvinegra.

Icasa x Ceará pela Série B, no Estádio Romeirão (Foto: Normando Sóracles/ Agencia Miséria)
Ceará foi marcado sob pressão no Romeirão
(Foto: Normando Sóracles/ Agencia Miséria)

Outro jogo

Mas se o primeiro tempo deixou a desejar, a etapa final começou a toda vapor. E logo com cinco minutos, Kiros tocou na medida para Carlinhos acertar um chutaço da entrada da área e vencer o goleiro Fernando Henrique. Era o Icasa saindo na frente do placar.

Em seguida, Kiros voltou a levar à meta alvinegra. Pela direita, ele chutou com perigo e Fernando Henrique defendeu. O goleiro do Vovô teve mais problemas nos minutos seguintes. Dessa vez, foi Juninho Potiguar quem arriscou chute e obrigou o goleiro a nova defesa.

Enquanto isso, o Alvinegro de Porangabuçu não conseguiu se encontrar em campo. Mesmo com duas substituições logo depois do gol sofrido, o técnico Sérgio Guedes não conseguia vencer a marcação imposta pelo time de Sidney Moraes.

A partir daí, o Icasa adminstrou o restante da partida e o Vovô perdeu a cabeça em campo. Sem criação e nervoso com o resultado negativo, o time acabou com o atacante Lulinha expulso. E já nos minutos finais, Sérgio Guedes reclamou demais do árbitro e foi excluído de campo. Bom para a torcida icasiano, que comemorou a vitória, mesmo que sem muita inspiração.

Icasa x Ceará pela Série B, no Estádio Romeirão (Foto: Normando Sóracles/ Agencia Miséria)
Gol de Carlinhos, no início do segundo tempo, garantiu vitória alviverde em casa
(Foto: Normando Sóracles/ Agência Miséria)

Palmeiras 4 x 0 Oeste

O torcedor alviverde já pode começar a imaginar um novo Palmeiras em 2013. No primeiro jogo da equipe no Campeonato Brasileiro da Série B após a Copa das Confederações, o Verdão não teve muito trabalho para golear o Oeste e convencer. O placar de 4 a 0 neste sábado, em Presidente Prudente (SP), mostrou que o time tem tudo para embalar na competição e sob o comando de um velho conhecido da torcida.

Ainda sem os reforços Alan Kardec, Felipe Menezes e Eguren, a principal novidade foi a presença de Valdivia, em campo após 114 dias. O chileno deu toque de qualidade ao meio de campo e foi o principal responsável por organizar e armar as jogadas de ataque. Além de participar de três dos quatro gols, ele deu dribles, ótimos passes e ouviu seu nome ser gritado na arquibancada com entusiasmo. Como recompensa, saiu aplaudido de pé do Prudentão.

Na frente, Leandro cumpriu seu papel de goleador da equipe em 2013 e marcou duas vezes – agora são nove na temporada. Charles, na segunda etapa, fechou o marcador com outros dois gols. O resultado mantém o Verdão na terceira posição, agora com 15 pontos. O Oeste, com oito, já começa a se aproximar da zona de rebaixamento.

Na próxima rodada, o Palmeiras volta para a capital após cumprir suspensão de quatro jogos e enfrenta o ABC, no Pacaembu, na sexta-feira, às 21h (horário de Brasília). Antes disso, na terça-feira, o Oeste recebe o  Boa Esporte, no estádio dos Amaros, em Itápolis, às 21h.

valdívia palmeiras e oeste brasileirão série B (Foto: Celio Messias / Agência Estado)
Valdivia voltou e brilhou com a camisa do Palmeiras  (Foto: Celio Messias / Agência Estado)

Valdivia cria e Leandro resolve

A proposta do Oeste no início do jogo foi bem clara: evitar uma pressão palmeirense, com marcação na saída de bola, uma linha de três volantes e outra com cinco defensores. Para furar a retranca do time de Itápolis, o Verdão contou com um talento especial que estava em baixa no clube. Valdivia, de volta após 114 dias e muita cobrança, puxou ataque pela direita em boa arrancada individual e passou para Luis Felipe. Após cruzamento do jovem lateral, a bola sobrou para Leandro bater forte e abrir o marcador. Isso com apenas seis minutos de jogo.

A boa movimentação de Leandro e Valdivia deve ter deixado Gilson Kleina satisfeito nas tribunas do Prudentão – o time foi dirigido pelo auxiliar Juninho neste sábado, já que o técnico estava suspenso. O que não deve ter agradado ao comandante foi o posicionamento da defesa. Em duas oportunidades, o zagueiro André Luiz e o lateral-esquerdo Juninho bateram cabeça e quase viram o Oeste marcar. No lance mais perigoso, aos 37, Fernandes apareceu nas costas de defesa e tocou na saída de Prass. A bola explodiu no travessão.

Do meio para a frente, porém, o Palmeiras sobrava. A resposta veio mais uma vez com Valdivia. O meia puxou contra-ataque e lançou Vinicius na esquerda. O atacante cruzou rasteiro e encontrou Leandro, que conseguiu um leve desvio para vencer Fernando Leal e dar tranquilidade ao Verdão.

Leandro gol Palmeiras (Foto: Célio Messias / Ag. Estado)
Leandro comemora um de seus dois gols pelo Palmeiras (Foto: Célio Messias / Ag. Estado)

Virou goleada

Mais ligado no sistema defensivo, o Palmeiras começou a segunda etapa trocando passes com tranquilidade. Com total domínio da posse de bola, os alviverdes não demoraram para levar perigo ao gol do Oeste. Pela direita, Luis Felipe, novidade na escalação, avançou e arriscou de pé esquerdo. O lateral se mostrou bem à vontade em campo, principalmente no ataque.

Superior no meio de campo, o Verdão teve duas oportunidades para ampliar antes dos 20 minutos. Na primeira e melhor delas, Wesley tabelou com Luis Felipe pela direita, mas foi desarmado na hora do arremate. No rebote, Valdivia obrigou Fernando Leal a fazer boa defesa. Na sequência, novamente pela direita, Charles invadiu a grande área e bateu cruzado, com mais uma intervenção segura do arqueiro rubro-negro.

Aos 21 minutos, saiu a pintura alviverde em Presidente Prudente. Valdivia deu lindo passe para Leandro, que desviou de Fernando Leal e deixou Charles com o trabalho de apenas empurrar para o fundo da rede. O gol foi marcado pelo volante, mas o nome gritado na arquibancada foi o do chileno.

Sete minutos mais tarde, a prova de que a reconciliação do Mago com o torcedor palmeirense é real. Após cobranças e grande desconfiança, o chileno saiu do gramado aplaudido de pé pelos pouco mais de sete mil torcedores presentes no Prudentão. Do banco de reserva, viu o volante Charles transformar a vitória em goleada, aos 37, com um lindo chute de fora da área. Caio e Mendieta ainda tiveram chances para ampliar. O Palmeiras venceu e convenceu, animando seu torcedor para a sequência da Série B.