North Shore crash: Man fights for life

UPDATED 1:56 PM Saturday Jun 29, 2013

Crash victim fights for life

A man is fighting for his life in hospital after being trapped under a car following a crash in the Auckland suburb of Devonport early today.

Five young people were injured – one critically – this morning when a car smashed into a power pole on Lake Road at about 4am.

The seriously injured man was trapped under the car and had to be extricated from the vehicle, a Fire Service spokesman said. Four other people were injured.

“The person who was trapped was in a bad way and taken immediately to hospital by ambulance after being freed,” the spokesman added.

Inspector Andy Brill of Auckland police said the injured person had been in a critical condition when freed from the wreckage.

“The police Serious Crash Unit is investigating, and there is no further information at this stage” he added.

A neighbour who rushed to the scene said the crash woke up nearby residents.

“We were woken just after 4am by a loud bang,” the neighbour said.

“About five youngsters had been inside and one of them was still in the back seat with his arm hanging out of the window.”

 

The New Zealand Herald

‘Lawfully wedded wives’ celebrate court win

1:45 PM Saturday Jun 29, 2013

 

The lead plaintiffs in the US Supreme Court case that overturned California’s same-sex marriage ban have tied the knot at San Francisco City Hall, just an hour after a federal appeals court freed gay couples to obtain marriage licenses for the first time in 4½ years.

State Attorney General Kamala Harris presided at the wedding of Kris Perry and Sandy Stier, of Berkeley, as hundreds of supporters looked on and cheered.

The couple sued to overturn the state’s voter-approved gay marriage ban along with Jeff Katami and Paul Zarrillo, of Burbank, who planned to marry Friday evening at Los Angeles City Hall.

“By joining the case against Proposition 8, they represented thousands of couples like themselves in their fight for marriage equality,” Harris, who had asked the appeals court to act swiftly, said during Stier and Perry’s brief ceremony.

“Through the ups and downs, the struggles and the triumphs, they came out victorious.”

 

Harris declared Perry, 48, and Stier, 50, “spouses for life” but during their vows, they took each other as “lawfully wedded wife”. One of their twin sons served as ring-bearer.

Although the couple fought for the right to wed for years, their wedding came together in a flurry when a three-judge panel of the 9th US Circuit Court of Appeals issued a brief order afternoon dissolving, “effective immediately,” a stay it imposed on gay marriages while the lawsuit challenging the ban advanced through the courts.

Sponsors of California’s same-sex marriage ban called the appeals court’s swift action “outrageous”.

“The resumption of same-sex marriage this day has been obtained by illegitimate means. If our opponents rejoice in achieving their goal in a dishonorable fashion, they should be ashamed,” said Andy Pugno, general counsel for a coalition of religious conservative groups that sponsored Proposition 8.

“It remains to be seen whether the fight can go on, but either way, it is a disgraceful day for California,” Pugno said.

The Supreme Court ruled 5-4 Wednesday that Proposition 8’s sponsors lacked authority to defend the measure in court once Harris and Gov. Jerry Brown, both Democrats, refused to do so.

The decision lets stand a trial judge’s declaration that the ban, approved by voters in November 2008, violates the civil rights of gay Californians and cannot be enforced.

Under Supreme Court rules, the losing side in a legal dispute has 25 days to ask the high court to rehear the case. The court said earlier this week that it would not finalize its ruling in the Proposition 8 case until after that time had elapsed.

It was not immediately clear whether the appeals court’s action would be halted by the high court, but Governor Jerry Brown directed California counties to start performing same-sex marriages immediately in the wake of it.

A memo from Brown’s Department of Public Health said “same-sex marriage is again legal in California” and ordered county clerks to resume issuing marriage licenses to gay couples.

Given that word did not come down from the appeals court until mid-afternoon, most counties were not prepared to stay open late to accommodate potential crowds. The clerks in a few counties announced that they would stay open a few hours later Friday.

A jubilant San Francisco Mayor Ed Lee announced that same-sex couples would be able to marry all weekend in his city, which is hosting its annual gay pride celebration this weekend.

– AP

The New Zealand Herald

Changed habits cut Queensland’s energy use

June 29, 2013 – 7:40AM

Katherine Feeney

Queensland's annual energy consumption.

Queensland’s annual energy consumption.

Cost-saving initiatives adopted by Queensland households in order to stave off ballooning electricity prices have contributed to an overall cent drop in the state’s energy use.

The 4.3 per cent slide in residential and commercial electricity use is captured in the 2013 National Electricity Forecasting Report released by the Australian Energy Market Operator on Friday.

It shows a “fundamental behavioural shift” amongst Queenslanders according to AEMO managing director and chief executive Matt Zema.

“The 2013 NEFR forecasts also show that in Queensland there is a fundamental behavioural shift in response to recent electricity price growth, that is significantly offsetting growth in residential and commercial (including small industrial) energy consumption,” said Mr Zema.

Advertisement

“We are seeing an increase in the impact of energy efficiency initiatives on energy supplied from the grid compared to 2012, as consumers implement measures that lead to a reduced need to switch on air conditioning in hot weather.

“On a per capita basis, residential and commercial electricity consumption declines and then flattens over the next decade – individually consumers are using less electricity than they used to.”

The report shows the number of rooftop solar PV installations has increased 46.4 per cent while new building standards and regulations resulted in increased energy efficiency of 82.8 per cent.

However, deferral or delay of big industrial projects was the most significant contributor to a 3.4 per cent drop in Queensland’s overall annual energy levels.

But the decline is expected to reverse over the next five years.

“Industrial energy consumption drives the biggest growth in the first half of the 10-year outlook period as the three large LNG projects at Gladstone mature and reach capacity,” Mr Zema said.

Queensland electricity prices will increase $268 a year, or 22.6 per cent, for households on the typical tariff, the Queensland Competition Authority confirmed last month.

AEMO operates the National Electricity Market (NEM) and power system, which supports 19 million people across Australia’s eastern and south-eastern seaboard, and the wholesale gas Short Term Trading Market hubs in South Australia, New South Wales and Queensland.

It also operates the Victorian Declared Wholesale Gas Market and the Victorian gas transmission system.

Brisbane Times

“Na Moral” receberá FHC e Fernanda Montenegro em sua estreia

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/7456d61f1015c87624b54cdc2e3cfccc.jpg
Divulgação/Globo

A edição de estreia do “Na Moral”, que começará sua segunda temporada na próxima quinta-feira (04), terá dois grandes convidados especiais.
O talk-show de Pedro Bial receberá no estúdio Fernanda Montenegro e Fernando Henrique Cardoso.
A atriz, que é uma das mais renomadas do Brasil, está no ar em “Saramandaia” como a Dona Candinha. Já FHC, ex-presidente da República, recentemente foi premiado como novo integrante da Academia Brasileira de Letras.
A nova temporada do “Na Moral” terá treze edições. A exibição se estenderá até o dia 26 de setembro.
Com informações da coluna Canal 1.
NaTelinha

Justiça Eleitoral no Ceará barra 433 pedidos de candidatura no estado

Dos 433 indeferimentos, 40 são de candidatos à prefeitura.
Os dez candidatos à prefeitura de Fortaleza foram deferidos.

Com análise de 95% dos pedidos de registros de candidatos, o Ceará tinha 433 impedimentos de candidatura até a tarde desta segunda-feira (6), segundo dados divulgados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A maior parte dos registros indeferidos são para vagas nas câmaras de vereadores.

Fortaleza lidera o número de candidaturas indeferidas, com 133 pretensos candidatos com barrados pela Justiça Eleitoral do Ceará. Os dez candidatos à prefeitura de Fortaleza já tiveram o pedido analisado e podem se manter na disputa eleitoral, que ocorre em 7 de outubro.

Os indeferimentos são em primeira instância e os pretensos candidatos ainda podem recorrer e regularizar a situação. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Ceará, a maior parte dos indeferimentos são de candidatos com contas desaprovadas em gestões anteriores.

Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, é a segunda cidade com o maior número de candidaturas barradas na instância regional. Dos 370 pretensos candidatos a vereador de Caucaia, 40 tiveram pedido de candidatura indeferido.

Juazeiro do Norte, no Sul do estado, teve 217 pedidos de candidaturas aprovados e 12 desaprovadas em primeira instância; e Sobral, na Região Norte, teve 202 pedidos deferidos e outros sete indeferidos. Entre os candidatos a prefeituro, o Ceará soma 40 pretensos candidatos com o pedido de candidatura barrado.

Cidades sem candidatos à prefeitura
As cidade de Cedro, no Centro-Sul do Ceará, e Jaguaretama, na região do Jaguaribe, tem dois candidatos á prefeitura cada, sendo os quatro com candidatura indeferida. Se pelos menos um dos candidatos de cada cidade não regularizar a situação até a data das eleições, os eleitores das cidades ficarão sem opções de voto.

 

G1

178 cidades do Ceará farão ligações gratuitas em telefone público da Oi

Anatel divulgou nesta terça-feira (4) a lista das cidades cearenses.
Determinação ocorreu porque devido a irregularidades.

 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nesta terça-feira (4) a lista das 178 cidades do Ceará que terão gratuidade nos telefones públicos da operadora Oi. A gratuidade será válida apenas para ligações locais, dentro da mesma cidade, para telefones fixos. Em todo o Brasil, serão afetados pela medida orelhões de 2.020 municípios. A empresa de telefonia teve que liberar o uso gratuito de parte de seus orelhões até o fim de 2012 por conta de irregularidades na oferta desses aparelhos, segundo a Anatel.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou nesta terça-feira (4) a lista das 178 cidades do Ceará que terão gratuidade nos telefones públicos da operadora Oi. A gratuidade será válida apenas para ligações locais, dentro da mesma cidade, para telefones fixos. Em todo o Brasil, serão afetados pela medida orelhões de 2.020 municípios. A empresa de telefonia teve que liberar o uso gratuito de parte de seus orelhões até o fim de 2012 por conta de irregularidades na oferta desses aparelhos, segundo a Anatel.

A Oi informou ter assumido, no segundo semestre do ano passado, compromisso de revitalizar sua planta de telefones públicos (orelhões) e que o cronograma de realização dessas melhorias foi prejudicado por questões alheias à vontade da companhia, “como o atraso na entrega de 135.000 equipamentos por parte de fornecedores nacionais e intempéries climáticas”.

Segundo a companhia, houve melhora significativa dos indicadores estabelecidos no compromisso. “A Oi acrescenta que continua trabalhando no plano de recuperação dos orelhões e tem intensificado os esforços para mitigar os problemas enfrentados ao longo de sua execução”, diz a companhia em nota.

O telefone deverá funcionar mesmo sem o uso de cartão. Caso os usuários coloquem o cartão em um aparelho incluído na medida, ele não deverá “queimar” créditos. A Oi terá que manter em seu site uma lista atualizada das cidades onde os orelhões farão ligações gratuitas.

Para ler mais notícias do Ceará clique em g1.globo.com/ce. Siga também o G1 CE noTwitter.

Veja lista de cidades com direito a ligações gratuitas nos telefone públicos:

ABAIARA
ACARAPE
ACARAÚ
ACOPIARA
AIUABA
ALCÂNTARAS
ALTANEIRA
ALTO SANTO
AMONTADA
ANTONINA DO NORTE
APUIARÉS
AQUIRAZ
ARACATI
ARACOIABA
ARARENDÁ
ARARIPE
ARATUBA
ARNEIROZ
ASSARÉ
AURORA
BARBALHA
BARREIRA
BARRO
BARROQUINHA
BATURITÉ
BEBERIBE
BELA CRUZ
BOA VIAGEM
BREJO SANTO
CAMOCIM
CAMPOS SALES
CANINDÉ
CAPISTRANO
CARIDADE
CARIRÉ
CARIRIAÇU
CARIÚS
CARNAUBAL
CASCAVEL
CATARINA
CATUNDA
CAUCAIA
CEDRO
CHAVAL
CHORÓ
CHOROZINHO
COREAÚ
CRATO
CROATÁ
CRUZ
DEPUTADO IRAPUAN PINHEIRO
ERERÊ
EUSÉBIO
FARIAS BRITO
FORQUILHA
FORTALEZA
FORTIM
FRECHEIRINHA
GENERAL SAMPAIO
GRAÇA
GRANJA
GRANJEIRO
GROAÍRAS
GUAIÚBA
GUARACIABA DO NORTE
GUARAMIRANGA
HIDROLÂNDIA
HORIZONTE
IBIAPINA
IBICUITINGA
ICAPUÍ
ICÓ
IGUATU
INDEPENDÊNCIA
IPAPORANGA
IPAUMIRIM
IPU
IPUEIRAS
IRACEMA
IRAUÇUBA
ITAIÇABA
ITAITINGA
ITAPAGÉ
ITAPIPOCA
ITAPIÚNA
ITAREMA
JAGUARETAMA
JAGUARIBARA
JAGUARIBE
JAGUARUANA
JARDIM
JATI
JIJOCA DE JERICOACOARA
JUAZEIRO DO NORTE
JUCÁS
LAVRAS DA MANGABEIRA
LIMOEIRO DO NORTE
MADALENA
MARACANAÚ
MARANGUAPE
MARCO
MARTINOPOLE
MASSAPÊ
MAURITI
MERUOCA
MILAGRES
MILHA
MIRAÍMA
MISSÃO VELHA
MOMBAÇA
MONSENHOR TABOSA
MORADA NOVA
MORAÚJO
MORRINHOS
MUCAMBO
MULUNGU
NOVA OLINDA
NOVA RUSSAS
OCARA
ORÓS
PACAJUS
PACATUBA
PACOTI
PACUJÁ
PALHANO
PALMÁCIA
PARACURU
PARAIPABA
PARAMBU
PARAMOTI
PEDRA BRANCA
PENAFORTE
PENTECOSTE
PEREIRO
PINDORETAMA
PIQUET CARNEIRO
PIRES FERREIRA
PORANGA
PORTEIRAS
POTENGI
POTIRETAMA
QUITERIANÓPOLIS
QUIXELÔ
QUIXERAMOBIM
QUIXERÊ
REDENÇÃO
RERIUTABA
RUSSAS
SABOEIRO
SALITRE
SANTA QUITÉRIA
SANTANA DO ACARAÚ
SANTANA DO CARIRI
SÃO BENEDITO
SÃO GONCALO DO AMARANTE
SÃO LUÍS DO CURU
SENADOR POMPEU
SENADOR
SOBRAL
SOLONÓPOLE
TABULEIRO DO NORTE
TARRAFAS
TAUÁ
TEJUÇUOCA
TIANGUÁ
TRAIRI
TURURU
UMARI
UMIRIM
URUBURETAMA
URUOCA
VARJOTA
VÁRZEA ALEGRE
VIÇOSA DO CEARÁ

 

 

G1

 

Chove em 129 cidades do Ceará, segundo Funceme

Maior precipitação aconteceu em Itapipoca com 124.6 milímetros.
Motivo das chuvas é a passagem do Sistema Cavado de Altos Níveis.

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou precipitações em 129 municípios do estado. As chuvas mais fortes foram em Itapipoca (124.6 milímetros), São Gonçalo do Amarante (102), Paracuru (98), Pacujá (82.3), e Groaíras (80). Na Região Metropolitana de Fortaleza a maior precipitação ocorreu em Caucaia com 48 milímetros, logo em seguida Maranguape com 42 e Fortaleza com 24.

O motivo das precipitações, segundo a Funceme, é a passagem do ”Sistema Cavado de Altos Níveis” que causa uma variabilidade no tempo no Ceará, em áreas do Oceano Atlântico e do Nordeste do Brasil. O sistema tem favorecido a formação de nuvens de chuva. Ainda de acordo com a Funceme além dessa variabilidade, também é observada a irregularidade das precipitações.

Chuvas abaixo do normal
As precipitações observadas no Ceará durante o trimestre fevereiro, março e abril deste ano ficaram 46,4% abaixo da normal climatológica. Para o período, em todo o Estado, a média histórica é de 517,6 milímetros. Infelizmente, os registros da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) apontam que, em 2013, choveu somente 277,2 milímetros nesses três meses.

“Tínhamos claros sinais de que teríamos mais um ano com poucas chuvas. O importante é que alertamos o poder público e a sociedade desde o início do ano, quando mostramos que as condições termodinâmicas da atmosfera e dos oceanos indicavam maior probabilidade de chuvas abaixo da normal”, destaca Eduardo Sávio Martins, presidente da Funceme.

Na segunda quinzena do mês de abril, o Ceará foi afetado pela atuação da Zona de Convergência Intertropical – que é o principal sistema meteorológico indutor de chuvas no Estado – e foram registradas fortes precipitações em alguns municípios. Porém, devido à uma configuração desfavorável no Oceano Atlântico, o sistema se distanciou e as chuvas perderam intensidade.

“Essa irregularidade temporal é uma característica de anos secos. No trimestre fevereiro, março e abril, tivemos períodos sem registros de precipitações alternados por dias com chuva. Também é normal a irregularidade espacial, ou seja, observarmos diferenças significativas nos índices de chuva de cada macrorregião do Estado”, explica Martins.

Tarifa de ônibus entre Maranguape e Fortaleza é reduzida após protestos

Passagem cai de R$ 5,15 para R$ 4,50 a partir de julho, diz prefeito.
Boato sobre protesto fecha portas do comércio da cidade.

Boatos fecham lojas do Centro de Maranguape (Foto: Colaboração/Arquivo Pessoal)

Boatos fecham lojas do Centro de Maranguape (Foto: Colaboração/Arquivo Pessoal)

 

Após protestos e manifestações da população, a prefeitura de Maranguape, na Grande Fortaleza, anunciou nesta sexta-feira a redução da tarifa de ônibus entra a cidade e Fortaleza. A redução foi de R$ 0,65, de R$ 5,15 para R$ 4,50, por um percurso de 30 quilômetros. A redução passa a valer em 1º de julho.
“Essa é uma conquista inicial para trabalhadores e estudantes locais que logicamente devem continuar lutando por seus direitos em todas as áreas, não só no transporte público”, diz o prefeito Átila Câmara.
“Peço a todas as pessoas que tem ido e irão às ruas manifestar-se por aquilo que entendem de direito que o façam em paz, principalmente evitando que inocentes paguem nesse momento histórico da luta produtiva do povo aguerrido de Maranguape”, diz o prefeito.

Boato de manifestação fecha o comércio
Na tarde desta sexta-feira, um boato de um protesto fechou várias lojas do centro de Maranguape. Uma comerciante da cidade que prefere não se identificar diz que a situação é de “temor” entre os comerciantes.

“Mais ou menos 90% do comércio de Maranguape está fechado. Em frente à empresa de ônibus também há reforço do policiamento. Está tudo parado”, diz. O prefeito da cidade diz que o teor do convite da manifestação de Maranguape é pacífico.

“Maranguape ainda tem ares de cidade interiorana, e as manifestações aqui são pacíficas. Os comerciantes estão temerosos devido aos protestos que ocorrem nas grandes cidades. De qualquer forma, estamos com a Guarda Municipal a postos para garantir a segurança”, explica Átila Câmara.

 

G1

Câmara instala CPI dos Transportes e vai analisar custo dos ônibus em SP

Comissão terá 120 dias para analisar planilhas de gastos.
Proposta de CPI aprovada foi a do PT, partido do prefeito Haddad.

Manifestantes lotam galeria do plenário da Câmara na quarta-feira (26)  (Foto: Roney Domingos)

Manifestantes lotam galeria do plenário da Câmara
na quarta-feira (26) (Foto: Roney Domingos)

A Câmara Municipal de São Paulo instalou nesta sexta-feira (28) a comissão parlamentar de inquérito (CPI) dos Transportes. Na próxima terça-feira (2) os vereadores deverão se reunir novamente para discutir o calendário da CPI e o relator da comissão. O PSDB, que faz oposição ao prefeito Fernando Haddad (PT) reivindica o cargo. A instalação da CPI nesta sexta-feira garante que sua existência não seja ameaçada pelo recesso parlamentar de julho.

A comissão terá 120 dias de funcionamento. Inicialmente foram indicados Paulo Fiorillo (PT), Eduardo Tuma (PSDB), Edir Salles (PSD), Milton Leite (DEM), Dalton Silvano (PV ), Adilson Amadeu (PTB) e Nelo Rodolfo (PMDB). O grupo vai analisar e avaliar as planilhas de custo do transporte coletivo por ônibus na capital.

“Toda definição de calendário será na terça, inclusive quem serão as pessoas ouvidas, quais os requerimentos que nós vamos apresentar. Nós podemos começar requerendo as informações, ouvindo os responsáveis. Se o debate é sobre as planilhas do sistema, nós temos que ouvir quem opera e está no sistema. Essa é uma definição que vai se dar na terça”, disse Fiorilo. Segundo ele, os partidos não tiveram tempo de indicar o relator entre a noite de quinta e a manhã de sexta, por isso a definição ficou para a terça-feira (2).

A CPI havia sido aprovada na quinta-feira (27), por 40 votos a 11. O tema entrou em debate depois da série de manifestações do Movimento Passe Livre (MPL) contra o custo das passagens. Os protestos culminaram com a revogação do aumento do transporte público na capital paulista.

Apontado como favorito, Milton Leite (DEM) afirmou nesta sexta que não tem interesse no cargo, mas aceitaria, em último caso. “Eu não quero,não tenho disposição, mas se não houver acordo, vou ter de relatar contra a minha vontade”, afirmou. “No pior dos mundos, farei”, complementou.

Inicialmente, a base de apoio ao prefeito Fernando Haddad (PT) foi contra a CPI. Após três dias de negociações e manobras, ficou definido que comissão seria instalada seguindo a proposta do vereador Paulo Fiorilo (PT).

Havia ainda outros dois pedidos para uma CPI dos Transportes em tramitação na Casa. Um deles, do vereador de oposição Ricardo Young (PPS), pedia uma investigação mais abrangente sobre qualidade, custos e irregularidades no sistema de transporte. Outra proposta, de Paulo Frange (PTB), também previa avaliar “denúncias de irregularidades no transporte coletivo por ônibus urbano”.

As duas propostas perderam espaço e foram preteridas ao pedido do vereador petista. Fiorilo limitou sua proposta à análise e avaliação das “planilhas de custo do transporte coletivo por ônibus particular urbano no município de São Paulo”.

Na quarta-feira, o prefeito Fernando Haddad anunciou o cancelamento do processo de licitação para a contratação das empresas de ônibus que realizarão o serviço pelos próximos 15 anos. O valor da licitação previsto é de R$ 46 bilhões. Com isso, o atual contrato, que vence em julho, precisará ser prorrogado. Haddad afirmou ainda que vai criar um conselho municipal para abrir planilhas e mostrar os custos do sistema.

Estratégia para controlar a CPI
Assessores da liderança do governo ficaram desde as 6h de quinta-feira (27)  em frente ao relógio de protocolo para garantir que o requerimento de Fiorilo fosse o primeiro a ser apreciado. Os requerimentos do vereador Ricardo Young (PPS) e do vereador Paulo Frange (PTB) não foram votados.

O lider do PSDB, Floriano Pesaro, criticou a aprovação da proposta de CPI dos Transportes apresentada por Fiorilo. “Essa CPI é mais que chapa branca. Se não tiver nossa profunda participação, o governo vai levar essa CPI a lugar nenhum”.

Autor de uma  proposta de CPI sobre o mesmo tema desde 2001, Frange afirma que sente-se contemplado por essa criação de CPI formulada por Fiorilo e diz que espera participação do PTB na comissão.

Instalação da comissão
Considerado atual presidente da CPI, Paulo Fiorilo explicou a mudança de postura do PT em relação à CPI. Ele disse que, na terça-feira, o partido propunha a criação de uma comissão de estudos e depois disso voltou a se reunir e passou a  defender que era possível fazer um debate a partir da CPI.

“O que ocorreu foi um amadurecimento, apresentou-se uma CPI com um objeto claro, que a outra (de Young) não tinha.”

Fiorilo voltou a dizer que a CPI não será chapa branca. “Nós vamos presidir uma CPI que tem um objeto e esse objeto será averiguado”, afirmou. “Vamos discutir as planilhas, abri-las, vamos verificar qual a situação do sistema e discutir subsídios.”

O petista disse que o prefeito Fernando Haddad não interfere na discussão da CPI. “O prefeito em nenhum momento se posicionou em relação a isso. Aliás, declarou que o debate sobre CPI é do parlamento.”

Autor da proposta rejeitada, o vereador Ricardo Young (PPS)  afirmou após a votação que, embora não tenha conseguido a aprovação da CPI que ele propôs, não se considera frustrado.

“Eu não estou frustrado porque até ontem, até anteontem, nem sequer a ideia de CPI era admitida pelo governo. Muita coisa mudou. A pressão popular, a pressão aqui na casa fez com que se visse que a instalação da CPI aqui na Casa era inevitável e necessária”, afirmou.

“Agora é claro que o governo não quer ser controlado pela sociedade. No afogadilho, propuseram uma CPI com escopo muito menor, com um número menor de membros, para que haja mais espaço da base aliada”, disse Young.

CPIs em funcionamento
A criação da CPI dos Transportes só foi possível após os vereadores abrirem espaço para que uma terceira comissão parlamentar de inquérito entrasse em funcionamento – as outras duas em andamento são a dos estacionamentos e da exploração sexual infantil. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (26), por unanimidade.

O requerimento de Fiorilo foi apresentado na quarta após o governo municipal ter sinalizado, no início da semana, que não desejava a instalação da comissão proposta pela oposição. Naquele momento estavam também sobre a mesa requerimentos formulados por Paulo Frange e Ricardo Young sobre o mesmo tema.

Um dia antes de o PT entrar com seu requerimento, o líder do governo na Câmara, Arselino Tatto (PT), defendeu que, em vez de CPI, fosse criada uma comissão de estudos dentro da comissão de transportes para debater o assunto com a convocação de empresas e de especialistas no tema.

 

G1

Governador de SP diz que irá vender helicóptero e extinguir 2 mil cargos

Venda de aeronave irá gerar economia de R$ 4,5 milhões por ano.
Governo também irá abrir mão de mil carros usados por servidores.

 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta sexta-feira (28) um pacote de cortes em gastos públicos que inclui a venda do helicóptero usado por ele e a extinção de 2.036 cargos comissionados que estão vagos. O governo estadual espera economizar, apenas com a venda da aeronave, R$ 4,5 milhões por ano.

As medidas foram tomadas após as manifestações pelo país e a revogação, na semana passada, do reajuste da tarifa de trens da CPTM e do Metrô. Com a venda da aeronave, Alckmin usará nos deslocamentos um helicóptero Águia, da Polícia Militar, que já fica à disposição do Executivo paulista. “O Estado de São Paulo não gasta mais do que arrecada. Nós não fabricamos dinheiro, então temos que ter equilíbrio orçamentário e, de outro lado, não podemos cortar investimentos”, disse.

A extinção dos cargos comissionados estará em um decreto que deve ser publicado neste sábado (29) no Diário Oficial. O governo diz, ainda, que irá devolver 436 carros alugados, em uma economia de R$ 6,5 milhões ao ano. Também serão vendidos 1.044 veículos do governo do estado. A expectativa é economizar R$ 3,1 milhões com a manutenção dos carros. Alckmin apresentou metas de economia de água, luz, combustível, passagens aéreas e diárias de hotel.

Inicialmente, ao anunciar a revogação do aumento, Alckmin tinha afirmado que investimentos seriam cortados. “Um sacrifício grande, nós vamos ter que cortar investimentos porque as empresas não suportam, não têm como arcar com essa diferença”, disse o governador na quarta-feira (19).

Helicóptero do governo do estado de São Paulo que será vendido por Alckmin (Foto: Divulgação)
Helicóptero do governo do estado de São Paulo que
será vendido por Alckmin (Foto: Divulgação)

O governador decidiu, ainda para economizar dinheiro, fazer uma reestruturação. A Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano será extinta após dois anos e meio da sua criação. A pasta será incorporada à da Casa Civil.

Três autarquias passarão por uma fusão: a Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap), a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e o Centro de Pesquisas de Administração Municipal (Cepam). Também serão extintas a autarquia Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sutaco) e a estatal Companhia Paulista de Eventos e Turismo (Cepetur). A economia será de cerca de R$ 355 milhões apenas nessa reestruturação: R$ 129 milhões neste ano e R$ 226 milhões em 2014. Segundo o governador, a extinção dos órgãos pode provocar a demissão de alguns funcionários.

“É um esforço de gestão para melhorar a eficiência do gasto público e compensar a redução de tarifa”, disse Alckmin nesta sexta. “Eu acho que a redução da tarifa foi importante, agora é melhorar o serviço público”, disse sobre investimentos em trens e Metrô.

Na última segunda-feira (24), o governador afirmou que não irá cortar nenhum investimento para bancar a revogação do aumento das passagens, que caíram de R$ 3,20 para R$ 3 após uma série de manifestações em São Paulo. A previsão é gastar mais de R$ 1 bilhão por ano com subsídios e gratuidades nos trens e Metrô. Apenas na manutenção da tarifa, serão gastos R$ 210 milhões.

“Acho que os recados das ruas, as vozes das ruas são: queremos custos menores, queremos redução de tarifa, mas queremos qualidade no serviço público. E qualidade no serviço público implica investimentos em Metrô, trem, mobilidade urbana e corredores de ônibus”, afirmou Alckmin nesta sexta-feira.

Outros anúncios
O corte de gastos é mais um anúncio feito pelo governador depois das manifestações ocorridas em todo o país. Ele afirmou nesta terça-feira (25) que irá aumentar o auxílio-moradia na região metropolitana São Paulo, onde, segundo ele, o aluguel é mais caro.

A decisão foi tomada após uma reunião com líderes do movimento Terra Livre e do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que realizaram manifestações. O valor, que para alguns seria de R$ 300, será igualado no valor de R$ 400 para os beneficiados.

Após encontro com a presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira (24), em Brasília, Alckmin anunciou ainda projetos para o pacto de mobilidade. Ele pretende pedir financiamento para três obras – uma no interior e duas na região metropolitana.

O primeiro projeto é de prolongamento do Corredor Noroeste de Campinas. Atualmente, ele vai de Campinas a Sumaré. Com as obras, passaria a ligar também as cidades de Nova Odessa, Americana, até a região de Santa Barbara D’Oeste. O projeto, que prevê 24,5 km de corredor, custará R$ 380 milhões. O segundo projeto prevê reforma, ampliação e modernização de 30 estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na Grande São Paulo. O custo seria de R$ 1,2 bilhão.

O terceiro investimento é a ampliação da Linha 5-Lilás, do Metrô, que liga o Capão Redondo e o Largo 13 de Maio. Três novas estações seriam criadas no trecho, que passaria a fazer a conexão entre o Capão Redondo e o Jardim Ângela. Ao todo, seriam mais 4 km de Metrô. As novas estações são Parque São Dias, Parque São José e Jardim Ângela. Segundo Alckmin, já existe um projeto funcional. Na linha 5-Lilás, conhecida como linha dos hospitais, 11 estações já estão em obras.

A ampliação da Linha 5 custaria R$ 2 bilhões. “Se o governo puder participar com a metade já está ótimo”. Alckmin reforçou que o governo do estado está disposto a fazer parcerias. “Nós sempre fazemos parcerias. Não precisa ter 100% de recurso federal. O que tiver, nós aceitamos e agradecemos.”

 

 

G1