James Akel anuncia uma novidade sobre a Rede Brasil de Televisão

Jesusteama.png

A Rede Brasil de TV, canal que foi dirigido por Celso Russomano, vai alugar 21 horas ao dia para a Igreja Universal.
Desta maneira, a emissora que é transmitida pelo canal 50 com 20k de potência, passa a ser transmitida pelo canal 57 com apenas 2 k de potência.
Quando o dinheiro fala mais alto a programação não tem a menor importância.

James Akel em seu perfil no Facebook no dia 17 de maio de 2013

Ceará TRI campeão Cearense

Não foi fácil. E ninguém disse que seria. Cinquenta mil pessoas lotaram o Gigante da Boa Vista. Palco armado para uma festa que só aconteceria em sua plenitude, com o apito final.

Em campo, um Guarany pronto para o tudo ou nada. E não tinham nada a perder. Do nosso lado, o Ceará Sporting Club, clube mais vezes campeão do estado, buscando mais um tricampeonato e aumentar ainda mais a nossa hegemonia de maior campeão.

O jogo começou bem, Vozão dominando, mas o Cacique abriu um placar com um gol do meio da rua que o goleiro Fernando Henrique engoliu. Mais um na conta dele que ainda ensaiou um choro no final do jogo. Patético.

Enfim, o Ceará foi pra cima, tinha que correr atrás do prejuízo. E quando precisamos de mais que técnica, quando precisamos de raça, sangue, coração, recorremos ao mito. Mota empatou alguns minutos depois.

O clima era tenso. A Nação empurrou como deu. Vicente, Lulinha e Vicente bombardearam a trave.

Na segunda etapa, o teste pra cardíaco. O medo de levar um gol que nos obrigaria a fazer DOIS, era maior que a coragem de atacar como fizemos no primeiro tempo.

Leandro Campos nada fez, apenas observou. Assistiu o Guarany dominar o time comandado por ele e só.  Eu confesso que virava as costas pro campo várias vezes quando o time de Sobral atacava. A oportunidade de fazer o segundo veio. Magno Alves, morto em campo, mandou na trave.

Pensei naquele ditado ridículo: “Quem não faz…”. Bobagem! Não dava mais tempo para nada. Era só fazer as últimas substituições e esperar o apito final.

Só depois disso veio do grito que esperamos desde o começo do ano…

TRIIIIIIIIIIIIIIIIIII CAMPEÃÃÃÃÃÃOOOOOO!

TRIIIIIIIIIIIIIIIIIII CAMPEÃÃÃÃÃÃOOOOOO!

TRIIIIIIIIIIIIIIIIIII CAMPEÃÃÃÃÃÃOOOOOO!

 

Taça entregue, 42 títulos estaduais, um penta, dois tetras e cinco tris e volta olímpica.

 

Ah, é preciso registrar que enquanto algumas torcidas quebram cadeiras, a minha quebra RECORDES…

Renda: R$ 1.000.067,00
Renda líquida pro Ceará: R$ 674.252,67
Público total: 50.511 (Pagantes: 49.645)

 

 

 

E vamo pra frente que agora o bicho pega!

É agora que o ano começa mesmo. Estamos aqui para apoiar o Ceará no maior objetivo: Brasileiro Série A 2014.

Sem jamais desistir, sem jamais baixar a cabeça e agora com o título de TRI CAMPEÃO no peito, vamos estar ainda mais juntos de ti, Vozão.

Subir é o objetivo. E estaremos contigo!

Conta comigo \o/

 

***

 

#CearaEstaremosContigo

 

SAUDAÇÕES ALVINEGRAS

“Morning Show” já tem data para estrear na RedeTV!

https://i1.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/a56b05e13c1e605e7771bfec7eeab296.jpg

Depois de vários pilotos gravados, o programa “Morning Show” já tem data para estrear na RedeTV!.

Inspirada no “Show da Manhã” da Rádio Jovem Pan, a nova atração deve estrear no próximo dia 27, a partir das 8h30 da manhã, substituindo o “Se Liga Brasil”.

“Morning Show” terá apresentação de Zé Luiz, Thiago Rocha, Patrick Maia, que até bem pouco tempo era roteirista do “Agora é Tarde”, e Renata Del Bianco, que interpretou a Viva na primeira versão da novela “Chiquititas”. Eles irão dar as notícias do dia de uma forma bem humorada.

Em recente entrevista, Thiago Rocha falou sobre o programa: “Vai ser um programa bem humorado, com notícias factuais mostradas num clima descontraído, com a nossa visão. O maior desafio, pra mim, é chegar em uma emissora, implantar um programa novo para um público que tem o olhar mais voltado ao programa feminino no horário. Vamos dar uma nova opção e companhia, além do que todos gostam de assistir de manhã”.

NaTelinha

Record Goiás comemora audiência de seus jornalísticos; confira

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/1ba37471e51af0cfeb30ad203c738911.jpg

A  Record Goiás está comemorando o sucesso de seus jornalísticos locais.

Segundo dados divulgados pela emissora, no último dia 13, o “Balanço Geral”, apresentado por Oloares Ferreira, marcou 10 pontos de média contra 9 da TV Serra Dourada/SBT e da TV Anhanguera/Globo.

Já o “Goiás no Ar”, de Alyssom Lima, também foi líder no mesmo dia. Entre 7h15 e 8h40, o jornal marcou 7,0 pontos de média, contra 6,7 da TV Anhanguera e 6,6 da TV Serra Dourada. Porém, o grande destaque foi o “Goiás Record”, jornal noturno exibido pelo canal.

Mesmo disputando contra a novela das 19h da Globo, o noticiário, no mesmo dia 13 de maio, marcou 13 pontos de média. O índice foi um dos maiores registrados pelo programa em toda a sua história.

Os índices são consolidados e refletem a preferência de um grupo de telespectadores da Grande Goiânia.

NaTelinha

“Jornal da Semana SBT” conquista vice-liderança isolada

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/c3339cf58427805f3dbb61f97d02e027.jpg

 

 

Aposta jornalística do SBT para os domingos, o “Jornal da Semana SBT” tem animado a direção do canal.

Neste domingo (19), no ar entre 05h15 e 06h30, o noticiário cravou 2 pontos de média e ocupou a vice-liderança isolada de audiência.

No mesmo período, a Globo liderou com 3,5 pontos e a Record marcou apenas 0,6 ponto.

Os dados são prévios do Ibope na Grande SP e podem sofrer alterações no consolidado.

 

NaTelinha

Especial “Amor à Vida”: As incontáveis formas e intensidades do amor

https://i0.wp.com/natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/6c343dd99e2cd7dcadd6f55c71cf1b97.jpg

Os diferentes jeitos de amar. Esse é o pano de fundo da nova novela das 21h da Globo, “Amor à Vida”, escrita por Walcyr Carrasco. O amor de um casal, por uma profissão, a si próprio e entre mãe e filho são apenas alguns exemplos desse sentimento que, dentro de uma família, pode ser visto e encarado de variadas formas.

Por meio do amor, pessoas são levadas a alimentar confusões, segredos, intrigas e romances. E, em muitos casos, esse sentimento é confundido com paixão, ciúme e até com o ódio. Por isso, cada escolha na vida não é fácil de ser tomada. Será que vale a pena abrir mão de tudo por um amor? Essa será uma das principais questões abordadas por “Amor à Vida”, que estreia nesta segunda (20), às 21h10.

Ficha técnica

Escrita por Walcyr Carrasco
Colaboração de Daisy Chaves, Eliane Garcia, Daniel Berlinsky e Márcio Haiduck
Direção de Núcleo de Wolf Maia
Direção Geral de Mauro Mendonça Filho
Direção de André Filipe Binder, Allan Fiterman, Marco Rodrigo, Marcelo Travesso e André Barros
Estreia: 20/05
Horário: 21h10
Antecessora: “Salve Jorge”, de Gloria Perez

Elenco

Paolla Oliveira – Paloma
Juliano Cazarré – Ninho
Matheus Solano – Félix

Álamo Faço – Renan
Anderson di Rizzi – Carlito
Ângela Rebelo – Lídia
Antônio Fagundes – César
Ary Fontoura – Lutero
Bárbara Paz – Edith
Bel Kurtner – Joana
Bruna Linzmeyer – Linda
Caio Castro – Michel
Carolina Kasting – Gina
Caroline Rainato – Raquel
Christiane Tricerri – Vega
Daniel Rocha de Azevedo – Rogério
Danielle Winits – Amarylis
Eliane Giardini – Ordália
Elizabeth Savalla – Márcia
Emílio Orcciolo Neto – Murilo
Fabiana Carla – Perséfone
Fernanda Machado – Leila
Françoise Forton – Gigi
Fúlvio Stefanini – Denizard
Genézio de Barros – Amadeu
Júlio Rocha – Jacques
Klara Castanho – Paula
Leona Cavalli – Glauce
Lucas Romano – Luciano
Luis Mello – Atílio
Malvino Salvador – Bruno
Marcello Antony – Eron
Maria Casadevall – Patrícia
Marina Ruy Barbosa – Nicole
Mouhamed Harfouch – Pérsio
Nathália Timberg – Bernarda
Paula Braun – Esther
Pierre Baitelli – Laerte
Ricardo Tozzi – Thales
Rodrigo Andrade – Daniel
Rosamaria Murtinho – Tamara
Sandra Corveloni – Neide
Susana Vieira – Pilar
Tatá Werneck – Valdirene
Thales Cabral – Jonathan
Thavyne Ferrari – Sandra
Thiago Fragoso – Niko
Vanessa Giácomo – Aline

Família Perfeita?

Aos olhos dos mais desatentos, a família Khoury, formada pelo casal César (Antônio Fagundes) e Pilar (Susana Vieira) e pelos filhos Félix (Mateus Solano) e Paloma (Paolla Oliveira), parece ser perfeita. No entanto, os mais próximos sabem que isso é apenas uma ilusão.

César e Pilar já foram apaixonados. No entanto, apenas ela o ama, já que ele mantém uma relação fora do casamento há vários anos. Félix é o filho preferido e paparicado de Pilar e possui atitudes que desagradam ao pai. Individualista, só quer saber de grana e poder. Mau-caráter, ele acredita que sua irmã Paloma pode atrapalhá-lo na conquista de seus objetivos.

Enquanto isso, Paloma mantém uma relação de tensão com a mãe, pois não recebe o mesmo carinho que o irmão. A relação dela com o pai é de pura afinidade. Inocente, a jovem é honesta com o irmão Félix, que mente, manipula e a odeia.

A trama de “Amor à Vida” inicia-se há mais de dez anos, quando a família Khoury viaja ao Peru para comemorar o ingresso de Paloma no curso de Medicina. E é por lá que a relação dos Khoury se estremece. Desconfiado que a irmã é filha adotiva, Félix resolve usar a informação como trunfo para atazanar a vida de Paloma que, ao saber da suposta verdade, resolve jogar tudo para o alto.

Amor arrebatador

Abalada com a notícia, Paloma rompe com a família e resolve seguir o que seu coração manda. No Peru, ela conhece Ninho (Juliano Cazarré) e se apaixona. Ela abre mão de sua carreira médica e de suas posses, resolve experimentar uma vida livre e seguir os passos do amado de andar pelo país sem qualquer compromisso.

Por um tempo, o plano dos dois pombinhos funciona e eles conhecem pessoas e lugares diferentes tanto no Peru como na Bolívia. Porém, a partir do momento em que Paloma engravida, os dois sentem-se obrigados a mudar de vida, pois um bebê exige cuidados, segurança e dinheiro. Por isso, eles resolvem retornar ao Brasil.

No entanto, a tentativa de voltar ao país pela fronteira com a Bolívia não dá certo. Para conseguir dinheiro para a viagem, Ninho aceita transportar drogas no próprio corpo e acaba sendo preso no aeroporto. Sem saída, Paloma sente-se obrigada a voltar ao país sozinha, deixando o amado para trás.

O irmão mau-caráter

O personagem Félix é sinônimo de inveja e ambição. Ele usa a boa relação com a mãe como instrumento para conquistar o que deseja. Casado com Edith (Bárbara Paz), o vilão consegue sustentar um casamento de fachada, inclusive para a própria esposa. Ele acredita que a união dele com Edith irá ajudar a convencer seu pai de que ela é a pessoa certa para comandar o hospital San Magno, pertencente à família. Para fingir ter uma família perfeita, Félix, que nunca conseguiu ter filhos, resolve adotar Jonathan (Thales Cabral).

Tirar a irmã Paloma de seu caminho sempre foi seu objetivo. No entanto, ao saber que ela está voltando ao país e esperando um filho, Félix fica temeroso e resolve planejar um golpe. Tudo porque ele acredita que o bebê pode fazer com que ela volte a se aproximar da família e, o pior, seu sobrinho é mais um herdeiro na disputa pelo hospital San Magno.

Ao voltar ao país, Paloma acredita que o irmão é a única pessoa em quem pode confiar. E Félix não perde tempo. Ele aproveita o momento para executar um plano que, na verdade, afastará a irmã mais uma vez da família. Ele consegue libertar Ninho e trazê-lo para o Brasil. Além disso, ele articula para que Paloma fuja novamente com Ninho e tenha o filho longe da mansão dos Khoury.

No entanto, a relação dos dois não é a mesma de antes. Com o tempo, eles passaram a ter objetivos bem diferentes. Após uma discussão em um bar, Ninho deixa Paloma e, sozinha, ela dá à luz uma menina. Durante o parto em condições precárias, mãe e filha ficam em apuros. Uma desconhecida ajuda Paloma, que perde os sentidos sem ver a bebê viva. É nesse momento que Félix consegue afastar mãe e filha. Ele descobre onde Paloma está, vai ao local e, ao perceber que a irmã está desacordada e não viu a filha nascer, resolve deixar a criança em uma caçamba de lixo próxima ao San Magno.

Sopro de Deus

O personagem Bruno (Malvino Salvador) passa pelo momento mais difícil de sua vida no hospital San Magno. No centro cirúrgico, ele vê sua esposa e seu filho morrerem no parto. Abalado com a tragédia, ele encontra um presente de Deus que pode mudar sua vida.

Ao deixar o hospital, ele ouve o choro de um bebê dentro de uma caçamba. Sem pensar muito, ele pega a menina nos braços e resolve ‘adotá-la’. A garotinha recebe o nome de Paula (Klara Castanho) e guarda em seu sangue uma verdade que poucos sabem.

Uma nova oportunidade

Dez anos se passaram e Paloma nunca se recuperou da perda da filha e da paixão avassaladora que nutria por Ninho. Ela então resolve tornar-se médica e uma mulher mais segura. E é nesse momento que Bruno reaparece na vida de Paloma. Eles se conheceram logo após Paloma ‘perder’ a filha, em um encontro apenas casual para ela, mas que despertou o amor dele.

De tanto insistir, ele consegue convencê-la a lhe dar uma oportunidade para que, ao menos, se conheçam melhor. E a pequena Paula, filha adotada por Bruno, é um importante reforço para o rapaz conquistar o coração da protagonista.

Paloma morre de amores pela menina, mesmo sem saber que, na verdade, ela é sua filha. A possibilidade de ceder às investidas de Bruno pode levar Paloma finalmente a ter uma família de verdade, sonho que não conseguiu realizar no passado.

O autismo dentro de casa

A vida da família Rodriguez, liderada por Amadeu (Genézio de Barros), que é irmão de Pilar e casado com Neiva (Sandra Corveloni), muda completamente após o nascimento da filha caçula Linda (Bruna Linmeyer). A garota, que é autista, obriga os pais e os irmãos Leila (Fernanda Machado) e Daniel (Rodrigo Andrade) a se reinventarem, com o objetivo de descobrirem novas formas para se relacionarem. Cada membro da casa precisa se adaptar para aprender a lidar com uma pessoa que necessita de cuidados especiais. Enquanto a matriarca Neide é uma mãe zelosa e protetora, a irmã Leila tem dificuldades em compreender as necessidades de Linda.

Filhos trabalhadores

Uma família batalhadora. Assim pode ser definida a família Vianna, formada por Ordália (Eliane Giardini) e Denizard (Fúlvio Stefanini). Os dois tiveram quatro filhos: Bruno, Gina (Carolina Casting), Carlito (Anderson di Rizzi) e Luciano (Lucas Romano). Os quatro são honestos e trabalham duro para ajudar em casa.

Denizard mantém um bar no bairro onde mora. Já Ordália trabalha como auxiliar de enfermagem no hospital San Magno. O sonho do casal sempre foi ver os quatro filhos com curso superior. No entanto, as dificuldades levaram cada um para um lado. Apenas Luciano conseguiu se matricular em uma faculdade. Mesmo assim, o jovem passa por dificuldades para conseguir estudar Medicina.

Busca por um bom partido

Márcia (Elizabeth Savalla) é mãe de Valdirene (Tatá Werneck). Parceiras, Márcia planeja um bom futuro para filha. O motivo? Ela quer fazer com que a moça não repita seus erros e leve uma boa vida em breve. Para isso, fiscaliza cada passo da filha com o objetivo de que Valdirene fisgue um bom partido, independente de quem seja. No entanto, quase todas as investidas da dupla fracassam. Mesmo assim, elas não desanimam e sempre partem para uma nova tentativa.

Superando preconceitos

Eron (Marcello Antony) e Niko (Thiago Fragoso) não esconderão de ninguém que eles mantêm uma relação estável. Bem-sucedidos em suas profissões, eles levam uma relação pautada no respeito e no afeto. Porém, a vida não é fácil para o casal, que sofrerá preconceito e terá dificuldades para realizar o sonho de ter um filho.

Bancada pelo ex-marido

Atílio (Luís Melo) e sua atual esposa Vega (Christiane Tricerri) precisarão conviver com uma presença desagradável. Eles, que mantém um casamento feliz, terão que aturar a ex-mulher de Atílio, Gigi (Françoise Forton), uma mulher falida, que não consegue manter seu antigo padrão de vida. Gigi sempre recorre ao ex para sanar as dívidas cometidas durante os seus excessos e para garantir o sustento da neta Sandra (Thavyne Ferrari) e do filho Murilo (Emílio Orciolo Neto), que não são do mesmo sangue de Atílio.

O Hospital

O San Magno é um dos principais cenários de “Amor à Vida”. O hospital é administrado por Atílio e é referência no tratamento de diversas especialidades. O complexo médico não segue um modelo de negócio que visa apenas o lucro. César, proprietário do San Magno, oferece atendimento gratuito a quem não pode pagar, o que sempre contrariou o filho Félix, que busca apenas o lucro. O sonho de Félix sempre foi tornar-se o único dono do San Magno.

Nos corredores, há muita disputa entre os profissionais. São os casos de Lutero (Ary Fontoura), cardiologista veterano e amigo de César, e Jacques (Júlio Rocha), um jovem ambicioso, esperto e que quer ocupar o lugar de Lutero. Com pouco tempo de hospital, Jacques já percebeu que a melhor forma de crescer lá dentro é se unindo a Félix.

Além de disputas, romances também ocorrerão nos corredores. É o exemplo do casal Michel (Caio Castro) e Patrícia (Maria Casadevall). A paixão pegou os dois de surpresa. Ela não queria nunca mais se envolver em relacionamentos amorosos, pois tinha acabado de ser traída. Já Michel é mulherengo e não gostaria de manter um compromisso sério. No entanto, cada vez mais os dois passam a se conhecer melhor e a sentir amor um pelo outro.

O bom-humor no hospital ficará por conta da enfermeira-chefe Perséfone (Fabiana Karla). Muito atenta, ela é discreta e fiel aos amigos, sobretudo à obstetra Glauce (Leona Cavalli). Perséfone é considerada a principal paqueradora do hospital, pois ela dá em cima de vários homens pelos corredores. No entanto, sua timidez a atrapalhará a engatar um romance sério.

O autor

Walcyr Carrasco é formado em jornalismo pela USP. Ele divide seus dias como escritor de livros e autor de peças de teatro e telenovelas. Iniciou sua carreira literária aos 28 anos com o livro “Quando o meu irmãozinho nasceu”. Atualmente, soma mais de 60 livros, entre juvenis e adultos.

No teatro, estreou com a comédia “O Terceiro Beijo”, mas foi a peça “Êxtase” que lhe proporcionou o prêmio Shell de melhor autor. Ingressou na teledramaturgia em 1989, quando escreveu o folhetim “Cortina de Vidro” para o SBT. Mas foi com a novela “Xica da Silva” (1995), da TV Manchete, que ele despertou a atenção do público e da crítica.

Após uma nova passagem pelo SBT, foi contratado pela Globo em 2000, emissora na qual emplacou vários sucessos na faixa das 18h, como “O Cravo e a Rosa”, “Chocolate com Pimenta” e “Alma Gêmea”. Os bons resultados alcançados levaram o autor a ser transferido para a faixa das 19h, na qual emplacou os sucessos “Caras & Bocas” e “Morde & Assopra”. Em 2012, coube a Carrasco escrever o remake de “Gabriela” para a faixa das 23h.

Com vários resultados positivos, a TV Globo resolveu apostar em Carrasco no horário das 21h. “Amor à Vida” será a primeira trama assinada por Walcyr na faixa mais nobre do canal.

Anote na agenda

“Amor à Vida” estreia nesta segunda (20), às 21h10, na TV Globo.

NaTelinha

Nilson Xavier comenta BALACOBACO

Juliana Silveira e Bruno Ferrari em “Balacobaco” (Foto: Divulgação/TV Record)

Se a intenção da Record com “Balacobaco” era afastar o fantasma de “Máscaras”, pode-se dizer que a meta foi atingida. “Máscaras” ficou no passado e é um projeto que a Record não faz questão de lembrar. Mas isso não quer dizer que “Balacobaco” teve vida fácil.

A novela causou estranhamento quando estreou. Era uma proposta completamente diferente da de sua antecessora. Colorida, espalhafatosa, num tom farsesco, metida a engraçada, com trilha popularíssima e personagens caricatos. Ficou claro que a inspiração da autora, Gisele Joras, foram dois sucessos recentes da Globo: a também colorida e alegre “Cheias de Charme” com a pegada “nova classe C” de “Avenida Brasil”. Pode-se dizer que foi uma aposta corajosa jogar às 22h30 uma novela com forte apelo de comédia e características comuns às novelas do horário das sete da Globo.

Alguns ajustes na trama foram feitos logo no início, mas, passados sete meses da estreia, percebe-se que a sua proposta permaneceu fiel até o fim, o que é bastante louvável. Outro ponto positivo foi a Record ter mantido “Balacobaco” em seu horário original desde o começo – diferente de “Máscaras”, que correu ao caminho dos ventos da audiência e das prioridades da grade da emissora, o que muito a prejudicou.

Infelizmente, a Record ainda não conseguiu recuperar os áureos dois dígitos na audiência que suas novelas tinham antes de “Máscaras”. “Vidas em Jogo” fechou com uma média final de 12 pontos no Ibope da Grande São Paulo. “Máscaras” derrubou para a metade (6 pontos), e “Balacobaco” fecha com 7 pontos. Pelo visto, “Dona Xepa” terá bastante trabalho pela frente.

Não foi a melhor novela de Gisele Joras. Prefiro “Amor e Intrigas”, de 2008. Mas o vilão Norberto foi o melhor papel de Bruno Ferrari na TV – um jovem ator que já havia chamado a atenção em trabalhos anteriores e que cresce a passos largos a cada papel.

 

Nilson Xavier – UOL