Com nova vítima de Lívia, “Salve Jorge” repete recorde de audiência

Foto: Divulgação
A novela “Salve Jorge” repetiu seu recorde de audiência na noite desta terça-feira, 19/03. O folhetim, de Gloria Perez, marcou 40 pontos de média, com picos de 43. O índice mostra que o público tem relevado os erros de continuidade e das críticas que a novela vem sofrendo.

“Falem mal, mas falem de mim”, essa expressão se enquadra a atual trama das nove da Globo. Com ibope em ascensão, “Salve” ainda é alvo de críticas e segue apresentando furos em seu enredo. A morte de Raquel (Ana Beatriz Nogueira) foi bastante questionada, uma vez que, o crime aconteceu dentro de um elevador. A vilã, a princípio, teria ignorado as câmeras de segurança ou as mesmas não existiam num condomínio cinco estrelas. 

“Antes que vocês perguntem: o elevador tem câmera sim, mas a Livia tem cúmplices no hotel”, disse a autora no Twitter, tentando abreviar as críticas.

Cada ponto de audiência na Grande São Paulo corresponde a 62 mil domicílios.

O PLANETA TV!

Ana Paula Padrão explica saída da Record e agradece carinho do público

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20130320190612.jpg

Divulgação/TV Record
Na tarde desta quarta-feira (20), foi anunciada a saída de Ana Paula Padrão da TV Record. Ela alegou que precisa estar mais próxima de suas duas empresas.
 
Em seu site, o “Tempo de Mulher”, a jornalista explicou sua saída da emissora e agradeceu o carinho e o reconhecimento do público.
“Após quatro anos, deixo a apresentação do ’Jornal da Record’ para me dedicar integralmente ao ‘Tempo de Mulher’. Aos telespectadores da TV Record, deixo o meu muito obrigada pelo carinho com que sempre fui recebida. Nesses quatro anos rodei o Brasil fazendo reportagens, eventos, séries e pude ter contato direto com mulheres de várias regiões do país”, disse.
Adriana Araújo, como já noticiado pelo NaTelinha, entrará no lugar de Ana Paula Padrão na bancada do principal telejornal da emissora.
natelinha

O apóstolo do calote

 

A Rede Boas Novas , de propriedade do pastor amazonense Samuel Câmara , ameaça tirar do ar o programa da Igreja Mundial do Poder de Deus ! Segundo informações da Revista Época deste semana , já faz 1 ano que a igreja capitaneada pelo auto denominado apóstolo Valdemiro Santiago não paga pelo espaço ocupado na grade da emissora !

O Observador: “Salve Jorge” é um bom produto, com defeitos

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20130320143209.jpg

Foto: TV Globo/Matheus Cabral
Juro que tento, mas não consigo. Deixar que incontáveis erros de “Salve Jorge” passem batidos exige autocontrole demais… O pior é que o folhetim se perde também em cenas decisivas, deixando escancarada a falta de cuidado de todos os responsáveis por levá-lo ao ar, fazendo com que o público perceba mais facilmente a sucessão de equívocos que esta novela teima em apresentar.
Temos como exemplo o último absurdo exposto no horário nobre. Como disse um blogueiro, pelo menos não podemos dizer que “Salve Jorge” não está se superando.
Lívia (Claudia Raia) matou Rachel (Ana Beatriz Nogueira) dentro de um elevador, porque – e o público é obrigado a acreditar nisso, como se fosse criança – a moça só conseguiu achar sinal de telefone naquele lugar. A autora Glória Perez foi ao seu Twitter explicar que a vilã tem contatos dentro do hotel e, por isso, a gravação da câmera de segurança dentro do elevador é inútil.
Esse tipo de coisa é como dar um susto em alguém que está dormindo, sonhando, embarcando numa fantasia. Ou tentando embarcar com muito esforço.
A grande verdade disso tudo, e que algumas pessoas não se dão conta, é que uma novela em que a autora precisa ir às redes sociais explicar capítulo por capítulo é um trabalho mal feito, no mínimo. Pois, fosse realmente convincente, como deveria ser por natureza, então “Salve Jorge” não precisaria de justificativas muito menos explicações. Falaria por si própria. Esta talvez seja a maior prova de incompetência desta obra.
A maior, não a única.
Ficção e realidade poderiam certamente se confundir nesta novela, caso não houvesse alguns empecilhos: toda a população da Turquia não falasse português, coincidências inacreditáveis não acontecessem com frequência bem como falhas em sequências de cenas (erros de continuidade), falta de entrega por parte de alguns atores em vários momentos decisivos, e falta de alinhamento cronológico entre os diferentes núcleos.
O público quer acompanhar “Salve Jorge” e isso já está mais do que escancarado. A história é atraente e talvez a forma como Glória Perez contou também desperte curiosidade. Mas faltou prestar atenção nos detalhes, especialmente naqueles que podem danificar a obra.
Sim, “Salve Jorge” é um bom produto. Com defeitos.
Breno Cunha escreve sobre mídia e televisão há quatro anos e sempre foi conhecido por grandes discussões provocadas por suas críticas. No NaTelinha não é diferente. Converse com ele: brenocunha@natelinha.com.br / Twitter @cunhabreno

Renato Maurício Prado comenta as bobagens do Ministro Aldo Rebelo

 

O Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, já defendeu meia-entrada para índios no Mundial; já quis emplacar o pedhuá e a caxirola como vuvuzelas brasileiras nos nossos estádios na Copa de 2014; já propôs isenção fiscal para clubes de futebol que faturam milhões por ano e agora pensa em ajudar Cuba a construir um autódromo para fazer um GP de F-1! Seria cômico, não fosse trágico…

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 20 de março de 2013

Renato Maurício Prado comenta o desempenho recente de Rafael Nadal

 

Se em sua passagem pelo Brasil Rafael Nadal ainda deixou os fãs apreensivos, pela instabilidade de seu jogo e, principalmente, pelo fato de confessar ainda sentir dores nos joelhos; no Masters 1.000 de Indian Wells ele os levou ao delírio com uma conquista espetacular, batendo, em sequência, Roger Federer, Thomas Berdych e Juan Martin Del Potro.

É verdade que acabou não enfrentando Andy Murray e Novak Djokovic, teoricamente, aqueles que, por suas características, podem ser os seus rivais mais difíceis na atualidade (ambos foram derrotados por Delpo, do outro lado da chave).

Ainda assim, o feito de Rafa merece aplausos de pé. E uma entusiasmada abertura de texto como a que redigiu meu amigo Juan José Mateo, especialista de tênis, no El País: “Abram alas, estendam o tapete vermelho. Rafael Nadal voltou!”

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 20 de março de 2013

Renato Maurício Prado comenta desempenho dos 4 cariocas no último fim de semana

 

O Vasco, assim como o Flamengo, acabou derrotado por um dos pequenos (no caso, o Volta Redonda), o que só reforça a impressão de que ambos precisarão se reforçar muito para não tomar sustos no Brasileiro. Nem em São Januário, nem na Gávea há elencos prontos. Muito pelo contrário.

Bonito, na primeira rodada da Taça Rio fez o Botafogo, que sapecou quatro no Quissamã, com direito a gol de Rafael Marques! Que foi o melhor em campo, participando de dois outros gols, com passes precisos. Rafael Marques desencabulará de vez?

Encabulado mesmo continua o Fluminense, que penou pra ganhar do Audax por 1 a 0 e teve até ajuda do juiz, que deixou de dar um pênalti claríssimo de Gum em Hyuri, e precisou que Diego Cavalieri voltasse a fazer milagres para evitar gols.

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 20 de março de 2013

Renato Maurício Prado tem dúvidas sobre o futuro do Flamengo com seu novo treinador

 

Jorginho vai dar certo no Fla? Se voltar a ser aquela pessoa afável, comunicativa, com inegável espírito de liderança e bom conhecimento técnico e tático de seus tempos de jogador, as chances são boas.

Mas se chegar ao Ninho do Urubu aquele outro, que se revelou durante o período em que Dunga comandou a seleção e o teve como braço direito, a coisa muda de figura. Nesses quatro anos, Jorginho se tornou um ser irascível, de mal com a vida, e arraigado a princípios retrógrados, capaz, por exemplo, de preferir veteranos já inúteis, como Grafite e Kleberson, em detrimento de jovens talentosos e promissores como Neymar e Ganso.

Amigos comuns me garantem que, depois do fracasso na Copa, Jorginho refletiu e mudou. Seu trabalho no Figueirense, no Brasileiro de 2011, foi muito bom. E depois que saiu de lá e passou um ano no futebol japonês, ele andou se reciclando, com estágios no Barcelona e no Real Madrid.

Tomara que esse Jorginho que está voltando ao Fla seja bem mais parecido com o lateral do que com o auxiliar de Dunga. E que perca, de vez, ranços religiosos como os que o levaram, em seus tempos de América, a querer banir o simpático diabinho Brasinha do posto de mascote do clube do Andaraí.

Religião cada um tem a sua e nenhum técnico de futebol deve se meter. Se começar a misturar preleção com reza o caminho leva ao inferno da cizânia e das derrotas, não ao paraíso das vitórias e títulos.

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 20 de março de 2013

Renato Maurício Prado comenta a contratação de Jorginho pelo Flamengo

 

Jorginho ganhará no Flamengo cerca de um terço dos pouco mais de R$ 600 mil mensais que Dorival Jr. faturava, entre luvas e salários. Tais números revelam a desvairada Ilha da Fantasia que se tornou o nosso futebol. Nos descabidos parâmetros dos nossos grandes clubes, até mesmo um salário considerado “modesto” é uma fortuna. Não há quem me convença que qualquer treinador valha isso.
Diante desse quadro alucinado, é extremamente saudável a iniciativa da diretoria rubro-negra de pagar vencimentos fixos bem menores e acenar com prêmios generosos por metas alcançadas. Se um técnico leva o time a um título importante ou à classificação para um torneio como a Libertadores é justo que abocanhe parte do lucro que está ajudando o clube a auferir. Caso contrário, não. O maior exemplo desse desperdício absurdo está na recente passagem de Felipão pelo Palmeiras, onde o atual treinador da seleção embolsou R$ 700 mil/mês para… rebaixar o Verdão!

 

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO no dia 20 de março de 2013