Haddad vai pagar vistoria dos carros com dinheiros dos pobres

Muito engraçado o prefeito eleito Haddad declarar que vai acabar com o pagamento das vistorias ambientais de carros.
Ora, se a vistoria era paga pelos donos dos carros, este era um custo exclusivo de quem tinha carro.
Agora que Haddad quer acabar com o pagamento, isto quer dizer que a vistoria vai continuar mas quem vai pagar é o caixa geral da prefeitura, ou seja, o dinheiro dos impostos dos pobres e dos ricos.
Haddad está fazendo os pobres pagarem pelos carros dos ricos.
Talvez esta seja uma nova maneira de prefeiturar.
E dizer que aquele bando de gente tucana não soube entender e denunciar isto durante a eleição.
E olha que o pessoal de marketing político ganhou uma grana pra sequer entender isto.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às  no dia 05 de novembro de 2012

Ela era o máximo

Dilma anuncia prorrogação do Bolsa Estiagem por mais dois meses

Diziam que Dilma Rousseff era fera na administração de energia do Brasil quando ministra.
Agora ela é presidenta e falta energia no nordeste e o Brasil tem que importar gasolina.
Que bela presidenta este pessoal elegeu pra cuidar dos negócios do país.

 Escrito por jamesakel@uol.com.br às 03h15 no dia 05 de novembro de 2012

O texto abaixo é do notável Maurício Stycer

Qualquer que seja a situação da RedeTV!, ela é preocupante do ponto de vista do espectador

Quem consulta a grade da RedeTV! nota que cerca de 11 das 24 horas de um dia normal da semana são hoje “alugados” pela emissora a diferentes grupos religiosos ou comerciais.

Além de toda a madrugada, também horários nobres são ocupados por denominações como Igreja Mundial do Poder de Deus (12h), Igreja Universal do Reino de Deus (14h), Igreja da Graça (17h) e Igreja Internacional da Graça de Deus (21h30).

Excluindo esses programas, sobre os quais a emissora não tem controle nenhum, a RedeTV! mantém alguns noticiários de qualidade, uma atração sobre celebridades (o “TV Fama”) e exibe, como suas maiores estrelas, os apresentadores Amaury Jr., Gilberto Barros e Luciana Gimenez.

A emissora tem dois donos. O principal é Amilcare Dallevo, cuja mulher, Daniela Albuquerque, também é apresentadora da casa. O outro é Marcelo de Carvalho, casado com Gimenez e apresentador, ele próprio, do game show “Mega Senha”.

Os problemas da RedeTV! se agravaram no final de 2011, quando se tornaram públicos atrasos em alguns pagamentos. Esse foi, ao menos, o pretexto para que toda a equipe que fazia o principal programa da casa, o “Pânico na TV”, deixasse a emissora em direção à Band.

O baque na audiência e no faturamento levou Dallevo e Carvalho a reunir um grupo de jornalistas, em março de 2012, para anunciar a contratação do humorista Rafinha Bastos e a decisão de fazer no Brasil o programa “Saturday Night Live”.

Irônico, Carvalho comparou o “Pânico” a “uma mulher argentina gostosa” e explicou que iria ganhar muito mais com o “SNL”: “É como se tivéssemos uma mulher argentina gostosa, muito desejada. Ela foi embora. Aí vamos olhar a conta. Dá para casar com a Gisele Bündchen e ainda sobra metade do dinheiro.”

Dallevo e Carvalho anunciaram demissões, o fim de programas deficitários e enxugamento de despesas. E atribuíram a crise vivida no final de 2011 a três fatores: a perda dos direitos de transmissão da Série B do Brasileiro, a perda dos direitos do UFC para Globo e dificuldades de crédito por conta da crise financeira na Europa.

De lá para cá, a impressão que se tem é que pouca coisa mudou. Com imensa expectativa, o “SNL” estreou num domingo (apesar de ter a palavra “sábado” no título), às 20h, o horário mais nobre, mas marcou menos de 1 ponto no Ibope.

Depois de repetidos insucessos, o programa foi transferido para a 0h, quando chegou a marcar 2 pontos. Rafinha Bastos já deixou a emissora, e o futuro do “SNL” está indefinido.

Há duas semanas, a emissora anunciou um novo programa matinal, “Se Liga Brasil”, em substituição ao “Manhã Maior”, que exibia havia alguns anos. A novidade diz muitos das dificuldades da RedeTV!.

“Estamos de programa e cenário novo, mas o patrocinador continua o mesmo. Ainda bem”, disse a apresentadora Regina Volpato, na estreia. Em resumo, o “Se Liga Brasil” apenas reciclou o “Manhã Maior”: uma pitada de notícias, duas doses de fofocas, uma receita culinária e entrevistas “polêmicas”.

Qualquer que seja a situação da RedeTV!, ela é preocupante do ponto de vista do espectador. Com sua grade hoje muito limitada, a emissora não está conseguindo se apresentar como uma alternativa relevante no quadro da TV brasileira.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 03h10 no dia 05 de novembro de 2012

Irmãs esportivas

As duas irão praticar juntas diferentes modalidades, como escaladas em cachoeiras, mergulhos com tubarões e snowboard em montanhas virgens, onde o acesso ao pico só é possível por helicóptero. Karina e Nathali Oliani, além de irmãs, são médicas .

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Tudo junto e misturado

Tanto a Record quanto a Igreja Universal não gostam de assumir abertamente sobre as suas relações mais próximas.

Mas fato é que já de algum tempo veículos impressos da igreja, antes na zona sul de São Paulo, agora se instalaram na sede da emissora na Barra Funda. Estão todos juntos.

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery

Vera Viel entra em licença maternidade . Só volta em abril de 2014.

Amanda Françozo substitui Vera Viel em programa de TV

 

A partir de hoje, segunda, Amanda Françozo substitui Vera Viel na apresentação do “Zapping”, às 19h45, na Record News.

A senhora Rodrigo Faro vai se afastar porque está em final de gravidez. Amanda passa a acumular o “Zapping” com o “Estilo & Saúde”.

 

Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery 

Globo quase parou no sucesso de Avenida Brasil

Globo ainda não se recuperou do sucesso de "Avenida Brasil"

A Globo , verifica-se, precisa organizar melhor o seu calendário para não promover estreias tão coladas como vem acontecendo. Uma, naturalmente, acaba esvaziando a outra. E isto serve tanto para programas, como nas novelas. “Lado a Lado”, por exemplo, foi lançada três semanas antes de “Guerra dos Sexos” e “Salve Jorge”, três depois.

Todas, como ponto em comum, ainda não deslancharam em audiência. Estão com o mesmo problema. Para a novela da Glória Perez, além de outros fatores que atingem as demais – como calor mais forte, número de ligados mais baixo e horário de verão – também entra como componente contrário o barulho em torno de “Avenida Brasil”.

Mesmo fora do ar, existiram tentativas de continuar tirando mais caldo do sucesso de uma novela, que já estava morta e sepultada, em vez de se promover convenientemente as que já tinham chegado.