TV Record sem comando e com futuro estranho

Era uma vez uma TV que colocou uma nova novela no ar.
O nome é Balacobaco, mesmo nome de uma boate da década de 70.
Pouco importa o conteúdo desta novela porque o erro é estar numa emissora de nome TV Record.
Quem teve a notável ideia de colocar o primeiro capítulo numa quinta deveria estar pensando em jogo de futebol alternativo ou show de variedades ou qualquer evento parecido.
Ser diferente e inventar coisas é para quem sabe do ramo e não pra quem quer.
Infelizmente no comando da TV Record, na área de entretenimento, não existe ninguém que tenha conhecimento de TV e por isto fazem bobagem em grande escala.
Nem o autor da novela tem culpa e nem o elenco.
Enquanto a direção artística não for exercida por quem saiba o que é uma emissora de TV o ibope será de péssimo a mais péssimo.
Os fãs da TV Record estão tristes porque entendem de TV muito mais que qualquer diretor da emissora.
E estes fãs gostariam que existisse na TV Record alguém que entendesse mais de TV.
O atual comando da TV Record é um verdadeiro ato de agressão à TV Record dos anos 60 e 70, onde o talento era excelência e onde o conhecimento e a criatividade eram base
.

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 07h37 no dia 09 de outubro de 2012

Vejam só a excelente entrevista de Boni para a jornalista Keila Jimenez da Folha

Por que a Globo, mesmo perdendo audiência, segue com a maior fatia dos investimentos publicitários?
Não é só audiência que conta para o mercado, é também a qualificação do público. A Globo tem a maior concentração de público consumidor. Além da excelência da programação, tem uma concorrência medíocre. A Record fez aquele pastiche da Globo, que nadou, nadou e bateu a cabeça no teto. O SBT segue com aquele ritmo conservador.

Você quase foi para o SBT?
Cheguei a assinar um contrato com o SBT, mas tinha uma cláusula em que o Silvio Santos não poderia apitar na programação. No mesmo dia, de madrugada, o Silvio me ligou e disse que não podia aceitar a cláusula. Desfizemos o acordo. Ele não deve ter dormido, pensando em deixar de mandar no SBT, e eu não estava dormindo, pensando em como ia mandar na TV do Silvio Santos [risos].

Pensou em ir para a Record?
Cheguei a conversar sobre a possibilidade de fazer produções terceirizadas para eles, mas não deu certo.

Você conhece Roberto Marinho Neto, que assumiu a direção de projetos esportivos na Globo?
É um ótimo garoto, inteligente, vai subir rápido lá. Acho bom essa juventude chegando. Eu e o Walter Clark tínhamos 29 anos [a idade de Marinho Neto] quando assumimos a Globo.

Dará tempo de o país se digitalizar até o apagão do sinal de TV analógico, em 2016?
Não há dinheiro nas TVs para digitalizar 8.000 repetidoras. Vão ter de adiar.

Acredita que a TV paga no Brasil seguirá crescendo nesse ritmo acelerado?
Claro. Ela está começando a ter a sua própria produção de qualidade. Gostei do “Sessão de Terapia”, do GNT.

Acha que o Rupert Murdoch (dono da Fox) será sócio de um canal aberto no Brasil?
Pode ser. Tem de ver como ficará a situação da RedeTV!, que não paga direito os funcionários, e como vai ficar a MTV, que a Abril quer vender [procurado, o grupo Abril sustenta que não há negociação em andamento].

E o Silvio Santos, vai vender o SBT?
Não. O Silvio adora aquilo lá, e as filhas dele estão se interessando. Anos atrás, eu quis comprar o SBT, com um grupo de investidores. Ele não quis vender.

Você ainda quer ter um canal de notícias?
Quero, mas não consigo. Cheguei a conversar com o Fernando Di Genio [dono do Grupo Objetivo e de canais como a MixTV] sobre isso. Depois conversei com a própria Abril, para transformar a MTV em canal de notícias, mas nada avançou.

O que você gosta de ver na TV?
Eu não vejo muita TV, porque minha mulher não deixa [risos]. Se eu quiser ver, tenho de me trancar no quarto, porque fico resmungando enquanto assisto: “Olha essa luz! Que texto é esse?”.

A repetição de elencos na Globo incomoda você?
Esse uso de elenco sem critério, emendando uma novela na outra, participando de todos os programas, começou na gestão da Marluce [Dias, que foi diretora-geral da Globo]. Parece teatro com a coxia aberta. Com a super exposição, o mito desaparece. Perde o encanto, perde audiência.

Você palpita nos programas do seu filho Boninho?
Um pouco. Outro dia estava vendo o Rock in Rio na TV, transmissão com direção dele, e comecei a ficar incomodado com a falta de crédito na tela e outras coisas. Liguei para o celular do Boninho, mas ele não pôde atender. No outro dia, me pediu desculpas por não poder falar comigo, disse que estava na correria, “trabalhando”. Eu disse que tudo bem, mas que “trabalhando” ele não estava não. Se estivesse, não teria esse, aquele e aquele outro problema na transmissão… [risos]

 Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h28no dia 09 de outubro de 2012

Nas urnas , Andrade se saiu melhor que Patrícia Amorim

Zico foi o grande cabo eleitoral de Andrade, que não se elegeu vereador (o PSDB, seu partido, só levou duas cadeiras e ele foi o terceiro colocado), mas teve 16.609 votos, superando com folga os 11.687 de Patrícia Amorim. Zico já anunciou também o apoio à candidatura de Wallim Vasconcelos, opositor de Patrícia (e do “Capitão” Léo) nas eleições do Fla. Foram cutucar o Galo com vara curta…

Coluna redigida pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO

Desde Veludo e Castilho

Não sou pitonisa, nem gosto de bancar o vidente. Mas quando o Fluminense ainda era o segundo e o Atlético Mineiro, a sensação do campeonato, escrevi que o tricolor corria comodamente próximo ao líder, com o chicote embaixo do braço. Não deu outra. É impressionante a eficácia dessa equipe que, mesmo quando, em determinados momentos, é dominada pelos adversários consegue resistir e dar o bote fatal na hora exata — vide as vitórias recentes sobre Flamengo e Botafogo. O elenco tricolor é forte e homogêneo e Fred e Diego Cavalieri fazem a diferença. Aliás, este Fluminense, fazendo jus à sua história, confirma a velha máxima de que um grande time começa por um grande goleiro.

Coluna redigia pelo jornalista Renato Maurício Prado para o jornal carioca O GLOBO

Patrícia Amorim sofre a primeira derrota nas urnas

Se ainda havia alguma dúvida quanto a avaliação que a torcida do Flamengo faz da administração Patrícia Amorim, ela se dissipou no domingo passado, quando os rubro-negros cariocas (que sempre formaram a sua base eleitoral) lhe negaram o quarto mandato na Câmara de Vereadores. Patrícia teve menos da metade dos votos de quando se elegeu pela primeira vez, em 2000.
Candidata à reeleição à presidência do Flamengo, no final do ano, ela passa a enfrentar agora outra dura batalha — que se complica ainda mais após o resultado do pleito municipal. Terão os sócios do clube coragem e disposição para contrariar um desejo categoricamente expresso pela voz da arquibancada?

Atriz que vive a Zezé de “Avenida Brasil” é alvo de racismo no Rio

https://i2.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20121009115250.jpg
A atriz Cacau Protásio, sucesso na pele da empregada Zezé em “Avenida Brasil”, foi alvo de racismo nesta segunda-feira (08).
Pelo Twitter, ela contou o caso: “Fiquei muito chateada hoje! Eu estava parando no sinal e sem querer dei uma freada brusca, aí uma senhora que iria atravessar, com raiva, falou assim: ’Olha para o sinal, sua preta desgraçada!’ Fiquei muito chocada com aquilo, até chorei. Racismo é uma coisa muito feia”.
A atriz, moradora da Tijuca, no Rio, ainda desabafou: “Sou preta, mas sou preta com orgulho, tenho orgulho da minha raça, da minha cor, do que eu sou!”.
natelinha

ÍDOLOS: Reality entra na nova fase do Resort e poucos candidatos avançam para a etapa final

Foto: Edu Moraes/Record
  • Nesta terça-feira (09/10), o Ídolos entra numa nova e inédita fase. Neste ano, o tradicional Teatro foi substituído por um paradisíaco Resort, no interior de São Paulo. A partir de agora, os 115 aprovados na fase das audições terão que mostrar que estão dispostos a cantar todos os ritmos a ainda manter os nervos bem controlados, já que o clima de disputa ficará cada vez mais difícil.

    Agora, os participantes serão reunidos em grupos e em duplas e terão que fazer apresentações criativas com pouco tempo de ensaio. Somente alguns conseguirão avançar para a etapa final: a dos Concertos. Antes da primeira etapa de avaliação, os candidatos serão divididos em dois grupos, e cada equipe terá destino bem diferente. Muitas surpresas aguardam os participantes nessa nova etapa do Ídolos.

    ÍDOLOS é apresentado por Marcos Mion, com direção geral de Wanderley Villa Nova e direção artística de Fernanda Telles.

    O PLANETA TV!