“Máscaras” sobe e desbanca SBT no Ibope

Em plena reta final, com uma semana para chegar ao fim, “Máscaras” esboçou uma leve reação nesta última quarta-feira (26) e mais uma vez desbancou o SBT na disputa pelo Ibope.

A novela de Lauro César Muniz alcançou média de 6 pontos e se isolou na vice-liderança. O SBT, durante a faixa de confronto, ficou em terceiro lugar, com 5 pontos, seguido pela Band, que ficou em quarto lugar, com 4 pontos.

Entre os destaques do capítulo de ontem estava o fim da busca de Martim Salles (Heitor Martinez) pelo paradeiro de Eliza (Paloma Duarte) e Otávio (Fernando Pavão). O casal estava na casa dos Zezés (Roberto Bomtempo e Bárbara Bruno), que foi cercada pelos criminosos da organização.

Estes índices são consolidados e são baseados na preferência de um grupo de telespectadores da Grande São Paulo .

natelinha

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120927122050.jpg

O programa “Estação Teen”, apresentado pela banda Restart na RedeTV!, vai mudar mais uma vez de horário. O game-show estreou em abril sob comando de Dudu Surita às 18h45. Cerca de um mês depois, devido à baixa audiência, o filho de Emílio Surita deixou a atração, dando lugar aos meninos do grupo. Ainda em baixa, o programa passou a ir ao ar na faixa das 10h30 em agosto. Mais uma vez sem alcançar os resultados esperados, mudará de novo. Após o fim do horário político, em outubro, o “Estação Teen” passará a ir ao ar de segunda a sexta às 18h. E com uma reformulação. Além das provas disputadas por alunos de escolas, em busca do prêmio de uma viagem a Disney, o programa também exibirá desenhos animados. A Restart seguirá no comando.

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120927114215.jpg

“Balacobaco” carrega difícil missão e gera expectativa

“Hoje vai rolar o Balacobaco. Baco, balaco, Balacobaco”. É esse o refrão da música de abertura de “Balacobaco”, a nova novela da Record.
 

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120927104708.jpg

Juliana Silveira e Victor Pecoraro estarão em “Balacobaco” – Foto: Michel Ângelo/TV Record
“Hoje vai rolar o Balacobaco. Baco, balaco, Balacobaco”. É esse o refrão da música de abertura de “Balacobaco”, a nova novela da Record.
O vídeo, divulgado pela emissora no último sábado (22), com a música completa e várias cenas da trama, deixou no ar uma vontade imensa de assistir logo o primeiro capítulo. Há muito tempo não se via uma música tão “chiclete” abrindo uma novela da Record. A expectativa em torno de “Balacobaco” está muito grande e não é à toa.

Outra propaganda da nova aposta da emissora dos bispos também chamou atenção pela criatividade: trata-se de uma chamada inspirada no horário eleitoral gratuito. “Interrompemos nossa programação para a exibição da propaganda de uma novela obrigatória”, dizia a chamada, apresentando, nos moldes eleitorais, características de alguns personagens.

O vídeo, divulgado pela emissora no último sábado (22), com a música completa e várias cenas da trama, deixou no ar uma vontade imensa de assistir logo o primeiro capítulo. Há muito tempo não se via uma música tão “chiclete” abrindo uma novela da Record. A expectativa em torno de “Balacobaco” está muito grande e não é à toa.
Outra propaganda da nova aposta da emissora dos bispos também chamou atenção pela criatividade: trata-se de uma chamada inspirada no horário eleitoral gratuito. “Interrompemos nossa programação para a exibição da propaganda de uma novela obrigatória”, dizia a chamada, apresentando, nos moldes eleitorais, características de alguns personagens.
Mas, afinal, o que “Balacobaco” tem que ter para reconquistar o público de novelas da Record que foi embora, ao longo dos últimos anos, para os concorrentes? Uma regra é básica: o primeiro capítulo tem que arrepiar todos os telespectadores. Arrepiar com cenas de ação, que arranque suspiros, que mexam emocionalmente com o público. O primeiro capítulo tem que emocionar, assustar, tirar mesmo as pessoas do sofá.
Nenhum autor é capaz de conseguir manter o ritmo forte durante a novela inteira, mas o primeiro dia precisa ser inesquecível. Se não o público não volta, não se interessa. Genericamente falando, “Máscaras” pecou muito nisso: sua primeira semana foi morta, sem atrativos. Quando tentou dar a volta por cima, não adiantava mais.
“Balacobaco” carrega a missão de levantar novamente o horário nobre da Record, como outras novelas, por exemplo “Chamas da Vida”, fizeram. Esse é o único jeito da emissora voltar à vice-liderança isolada, da onde saiu – por incompetência própria – há algum tempo.
Ficamos então na expectativa de assistir “Balacobaco”, no próximo dia 4 de outubro. Que a Record não nos desaponte. Como já desapontou.
Breno Cunha escreve sobre mídia e televisão há quatro anos e sempre foi conhecido por grandes discussões provocadas por suas críticas. No NaTelinha não é diferente. Converse com ele: brenocunha@natelinha.com.br / Twitter @cunhabreno

Comentarista que brigou com Galvão Bueno pode ir para o Fox Sports

Ex-colaborador do canal de TV por assinatura Sportv, que deixou a emissora após se envolver em uma discussão ao vivo com Galvão Bueno durante a Olimpíada de Londres, Renato Maurício Prado pode reforçar o Fox Sports.

https://i0.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120926175018.jpg

O comentarista mantém conversas com o novo canal esportivo e ainda não tem nada fechado. Certo mesmo é que ele não faz parte dos planos da ESPN Brasil, como chegou a ser ventilado.
Segundo o blog “TV Esporte”, assinado por Rogerio Jovaneli, o estilo polêmico de Renato Maurício Prado pode ser um entrave na sua ida para o Fox Sports, que pretende lançar novos programas em 2013, possivelmente com a estreia de um segundo canal.
O Fox Sports chegou ao Brasil em fevereiro deste ano e desfalcou o Sportv tanto nas competições – tirou a Copa Libertadores da América e a Sulamericana – quanto na equipe – nomes como José Ilan, João Guilherme e Victorino Chermont, entre outros, receberam ofertas e mudaram de emissora.

Renato Maurício Prado comenta vitória do Flamengo sobre o Atlético Mineiro

https://i0.wp.com/s2.glbimg.com/P261cOpRYrq_d0o7J-D1m0-wlz_RwG00KOt-ZXN4AySpo_OOvJcCnkdrXNz2zy7dO-5xcknIG_rV_J1iXmqwrw==/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2012/09/18/flaatlmg.jpg

Foi, sem sombra de dúvida, a melhor apresentação do Flamengo no ano. O time rubro-negro jogou com o coração na ponta da chuteira, ganhou todas as divididas e, assim, conseguiu neutralizar a maior categoria do Atlético Mineiro. Amaral colocou Ronaldinho Gaúcho no bolso. E Vágner Love voltou a marcar, aliás, um golaço, de meia-bicicleta, colocando o Fla em vantagem, no primeiro tempo.

Quando o Galo empatou, aos 4 minutos da segunda etapa (gol de Jô), parecia até que iria tomar conta do campo. Pois sim. Empurrado por uma torcida apaixonada e alucinada, que não deixou de cantar um só minuto e lotou o Engenhão, o Flamengo foi à frente e numa linda jogada de Wellinton Silva, outro que se destacou na base da luta e da garra, saiu o cruzamento perfeito, da linha de fundo, para Liedson marcar o segundo e deixar novamente os cariocas na frente do placar.

Bem que Cuca tentou de tudo, colocando em campo atacantes sem parar. Mas a defesa do Fla (com Gonzalez e Frauches ganhando todas as bolas pelo alto, auxiliados por Cleber Santana e Cáceres) se mostrou firme e não permitiu o empate.

Ao contrário, em contra-ataques, o Flamengo esteve até mais perto do terceiro gol. Chegou a acertar uma bola na trave, numa bomba de Cléber Santana, que Vítor ainda espalmou com a ponta dos dedos.

Grande vitória do Fla, que assim sobe para a décima posição e abre sete pontos da temida zona do rebaixamento. E por que o time de Dorival Júnior melhorou tanto, a ponto de derrotar, com absoluta justiça, uma das melhores equipes do campeonato? A explicação perfeita, simples e direta, foi dada por Vágner Love, na saída do primeiro para o segundo tempoi.

– Por que ganhamos? Porque jogamos como Flamengo.

O verdadeiro Flamengo, de tantos títulos e tantas glórias, não o desastroso grupo que parecia se arrastar em campo até pouco tempo.

A reação iniciada no segundo tempo do jogo contra o Grêmio, parece consolidada. O próximo teste é o Fla-Flu.

Coluna redigida por Renato Maurício Prado para o jornal O GLOBO

Reta final: Pense numa protagonista! Chay se oferece para estrelar ‘Guerra dos Sexos’Na cara dura, Chayene pede papel para Jorge Fernando e Sílvio de Abreu (Foto: Cheias de Charme / TV Globo)

Na cara dura, Chayene pede papel para Jorge Fernando e Sílvio de Abreu (Foto: Cheias de Charme / TV Globo)

A cara de pau de Chayene (Cláudia Abreu) não tem fim! Ela está indo para o programa Encontro com Fátima Bernardes e, nos corredores do Projac, esbarra com o autor Silvio de Abreu e o diretor Jorge Fernando. Pronto! É a oportunidade perfeita para nossa musa tentar brilhar mais um pouquinho. Afinal, Chay não deixa nenhum grão de purpurina ficar de fora de sua vida e pergunta se eles vão fazer a próxima novela das sete, Guerra dos Sexos.

chayene (Foto: Cheias de Charme / TV Globo)
Essa Chayene…

Quando eles dizem que sim, a diva aproveita para tirar uma casquinha: “Pois eu sou sua fã, morro de ‘passione’ por suas novelas, tu tem uma carreira ‘belíssima’! Então, amadinhos, qual vai ser meu papel na novela? Se até Ivete virou atriz, já mais que na hora de Chayene virar estrela de TV!”

O que será que eles vão responder para Chayene? Não perca a cena, que vai ao ar na próxima quinta-feira, 27 de setembro .

Informações extraídas do site da Rede Globo

 

Sessão Da Tarde 27-09-2012

A Bruxa do Bem (2007)

Uma mulher misteriosa se muda para uma mansão assombrada, fazendo com que todos se perguntem se ela é uma bruxa, mas também despertando a simpatia de muitos e o amor de alguém muito especial.

Título Original: The Good Witch
Elenco: Catherine Bell, Chris Potter, Catherine Disher, Peter MacNeill, Allan Royal, Matthew Knight
Direção: Craig Pryce
Nacionalidade: Canadense
Gênero: Aventura

James Akel comenta o desempenho de Ana Hickmann no Tudo É Possível

A TV Record há muito tempo tem problemas com a apresentação do programa Tudo é Possível no domingo.
Ana Hickmann bem que tentou mas a cada domingo estava mais dura no comando de palco.
A direção tem a ver com isto sim pois poderia te-la treinado de forma diferente.
Mas nem todo diretor tem didática pra transmitir ao apresentador de palco.
E nisto fica que o apresentador ou apresentadora passam a não corresponder .
Veja que o mesmo diretor, Vildomar Batista, permite que também nos programas diários, o apresentador Brito Jr mantenha postura inadequada com mãos no bolso e postura relaxada em seu visual.
Tudo por conta de não ter didática para ensinar aos apresentadores.
Então, o próximo apresentador ou apresentadora do Tudo é Possível terão que ter conhecimento próprio de comando de palco.
Eu optaria por um apresentador homem que tivesse comando de palco para enfrentar a concorrência.
Mas nem tudo isto pode se ter pela pouca oferta no mercado.
Seria a única alternativa o Rodrigo Faro.

 Escrito por James Akel às 03h28

EM NOITE DE R49 POUCO INSPIRADO, FLA É EMPURRADO PELA TORCIDA E BATE GALO

Todas as atenções estavam voltadas para Ronaldinho Gaúcho, nesta quarta-feira. Cada vez que ele tocava na bola, 30 mil apitos ecoavam pelo Engenhão, mas em noite pouco produtiva, ele não conseguiu ajudar muito o Atlético-MG, e quem levou a melhor foi o Flamengo, que empurrado por sua torcida, atuou com muita garra, fez belos gols e venceu por 2 a 1. Vagner Love e Liedson, um em cada tempo, marcaram para o Rubro-Negro, e Jô descontou para o Galo.

O resultado colocou o time carioca de novo no meio da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, em décimo lugar, com 34 pontos, e deixou o vice-líder Galo com 52, a quatro do Fluminense. A renda somou R$ 532.060, para um público pagante de 34.116 pessoas (39.060 no total).

Pela 27ª rodada, o Flamengo fará o clássico contra o Fluminense, domingo, às 16h (de Brasília), no Engenhão.

– A gente estava perto da zona de rebaixamento, já deu uma respirada. Agora é ter tranquilidade, temos uma batalha domingo, um clássico, a gente vai fazer de tudo para vencer também – disse Vagner Love.

O Atlético-MG irá a São Paulo para jogar contra a Portuguesa, um dia antes, no Canindé, às 18h30m.

– Pagamos pelo primeiro tempo, foi muito ruim. No segundo tempo, voltamos melhor, conseguimos o gol, mas tomamos o segundo. Com um homem a menos, dificultou – disse o volante atleticano Pierre, referindo-se ao cartão vermelho levado pelo zagueiro Réver.

Era uma partida adiada da 14ª rodada do Brasileirão, mas parecia final de campeonato. Estádio lotado e dois times nervosos, dando chutões para todos os lados no início, com muitas faltas e confusões até o fim. E foi numa sobra da defesa adversária que o time da casa quase fez sua torcida delirar, em chute de Cleber Santana que resvalou na trave esquerda de Victor e saiu pela linha de fundo, aos sete minutos.

Com uma marcação adiantada para dificultar a saída em toques do Galo, o Flamengo tomava conta do jogo, mas falhava muito no último passe. Com Ronaldinho atuando mais no ataque pelo lado esquerdo, o Atlético-MG encontrava poucas soluções para ameaçar o gol defendido por Felipe. Mesmo depois que o camisa 49 recuou um pouco para armar, o time mineiro pouco conseguia sair de seu campo.

Wellington Silva e Ronaldinho, Flamengo x Atlético-MG (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Ronaldinho tenta dominar a bola marcado por Wellington Silva (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

E de tanto martelar, o Rubro-Negro chegou ao gol. Na verdade, um golaço. Cleber Santana cobrou escanteio (marcado equivocadamente, pois houve falta de Leandro Donizete em Wellington Silva, que foi o último a tocar na bola antes de ela sair), González cabeceou, Marcos Rocha salvou também de cabeça quase em cima da linha, Cáceres dividiu no alto e a bola sobrou para Vagner Love dar linda virada, acabar com jejum de cinco partidas sem marcar e fazer o seu 11º gol no Brasileirão, igualando-se a Luis Fabiano (São Paulo) e Bruno Mineiro (Portuguesa), com um a menos que Fred (Fluminense).

A vantagem fez o time da casa recuar um pouco e tentar os contra-ataques. O Atlético-MG ganhou espaço, e Ronaldinho passou a procurar mais o jogo. Porém, foi o Flamengo que quase fez o segundo, com Love recebendo de Cleber Santana no lado esquerdo, invadindo a área e dividindo com Victor, que ainda teve de se atirar novamente aos pés de Ramon para ficar com a bola, aos 32. O Galo insistiu no ataque, e R49 teve duas boas faltas para cobrar, uma de frente para o gol, mas jogou na barreira, aos 41. No entanto, dois minutos depois, lançou bem na área, e Richarlyson concluiu para fora, à esquerda de Felipe. Jô ainda teve outra oportunidade em meia-bicicleta meio desengonçada, mas o primeiro tempo acabou com o placar de 1 a 0 para o Fla.

Galo volta com tudo, empata, mas Liedson desempata logo depois

O Atlético-MG voltou a toda velocidade para o segundo tempo e teve ótima chance com menos de um minuto.  Após Carlos César, que substituíra ainda no primeiro tempo Leandro Donizete, acertar um chutaço em que a bola bateu no rosto de Ramon, Ronaldinho deu para Escudero, que dentro da área pelo lado esquerdo tentou deslocar Felipe, mas chutou por cima. A blitz atleticana teve resultado aos quaro. Ronaldinho lançou de cabeça na esquerda para Marcos Rocha, que cruzou na área; houve um bate-rebate, e a bola sobrou para Jô chutar de virada e mandar a bola no canto esquerdo do goleiro rubro-negro: 1 a 1. Logo após, Ramon, completamente zonzo, deixou o campo para a entrada de Magal, no Fla.

Vagner Love e Liedson gol Flamengo x Atlético-MG (Foto: Marcelo Theobald / O Globo)Love, autor do primeiro gol, comemora com Liedson o da vitória do Fla (Foto: Marcelo Theobald / O Globo)

O gol não acomodou o Galo, que continou marcando a saída de bola adversária, e naquele momento era o time da casa que não conseguia ter uma solução para atacar com qualidade. E tome chutão. Foi só colocar a bola no chão e tocar a bola com rapidez que o Fla encontrou o segundo gol: Wellington Silva recebeu na direita de Cáceres, avançou bem e cruzou na medida para Liedson pegar de sem-pulo e sair para comemorar, aos 11. O gol acalmou e melhorou o time carioca, e abalou um pouco a equipe de Belo Horizonte. Mesmo assim o Atlético-MG era muito perigoso nos contra-ataques. Nesses momentos, o camisa 49 atraía todas as atenções rubro-negras.

Aos 25, Cuca tirou Escudero para a entrada de Neto Berola, com o objetivo de dar mais velocidade e fôlego ao seu ataque. Porém, um minuto depois, perdeu um jogador expulso: Réver deu uma braçada no rosto de González na área do Fla e recebeu o cartão vermelho. O jogo já tinha apresentado vários lances ríspidos, discussões e tumultos, dando muito trabalho a Jailson Macedo Freitas. No mesmo lance, o árbitro mostrou amarelo para Jô e González, e aos 31 teve de advertir Richarlysson com o mesmo cartão após um carrinho perigoso em Wellington Silva.

Mesmo com um a menos, o Alvinegro de Minas passou a ser mais perigoso. Aos 37, Ronaldinho recebeu limpa na área e bateu de primeira, a bola parecia que tinha endereço certo, mas Frauches estava na frente e cortou o lance. O jogo estava aberto, e num contragolpe Cleber Santana arriscou de fora da área, a bola tocou na canela direita de Liedson e atingiu a trave direita de Victor. Comandado pelo camisa 88 e com boa colaboração de Léo Moura, o time rubro-negro passou a segurar a bola em seu setor ofensivo para garantir os importantíssimos três pontos. Mas o Galo era valente e não desistia. Aos 44, Carlos César chutou de fora da área, rasante, e deu trabalho a Felipe, que conseguiu segurar a bola e a vitória rubro-negra, para delírio de sua torcida.