Carrossel bate recorde

  • Segundo dados preliminares do Ibope na Grande São Paulo, o segundo capítulo de “Carrossel” superou o capítulo de estreia, com uma média de 14 pontos e picos de 16.

    Com essa média, o SBT se distanciou ainda mais da Record, que durante a novela exibe “Jornal da Record”. Das 20h29 às 21h16, a Globo liderou com 31 pontos e a Record, em terceiro, 6.

    Os números são prévios e podem sofrer alterações para mais ou para menos.

    Audiência pelo Brasil

    A estreia de “Carrossel” alcançou recorde de audiência em outras praças. Confiras algumas médias:

    Belo Horizonte – 14
    Porto Alegre – 7
    Distrito Federal – 15
    Salvador – 9

    • No PNT (Painel Nacional de Televisão), a média foi de 12 pontos, ante 7 da Record.

     

     OPLANETATV!

Falta estratégia da Record

 A atitude de Honorilton Gonçalves em tirar o SP Record três dias depois de colocar o programa no ar é igual à atitude de Silvio Santos que tirou Galisteu dois dias depois de colocá-la no ar de madrugada.
Honorilton, eu já disse isto várias vezes, copia o pior de Silvio.

Escrito por James Akel

“Tenho orgulho do meu passado”, dispara Val Marchiori

https://i1.wp.com/natelinha.uol.com.br/img/pag/315x265/img20120522174638.jpg

Valdirene Marchiori ou somente Val, como ela mesma prefere ser chamada, participou do reality “Mulheres Ricas”, da Band, e ficou conhecida por todo o país. Em conversa com Breno Cunha, do NaTelinha, a socialite revelou alguns segredos e contou que está bastante satisfeita com a resposta do público.

“As pessoas me param na rua, dizem ’Hello’, pedem champagne, tiram foto… Tudo sempre com muito respeito e carinho”, disse. Ela ainda comentou sobre a polêmica envolvendo Amaury Jr. Quando foi convidada para o “Mulheres Ricas”, Val era repórter de seu programa na RedeTV! e teria aceitado a proposta sem nem consultar o jornalista, que não gostou. Mas a milionária garante que não houve nada: “Sinceramente, não houve confusão alguma entre mim e Amaury”.
Entre outras revelações, Val disse que chegou a receber propostas de outras emissoras e da própria Band para outro projetos na casa. Confira abaixo a íntegra da entrevista:
NaTelinha – Como surgiu o convite para participar de “Mulheres Ricas”, da Band? 

Val Marchiori – Os produtores do programa estavam procurando mulheres ricas e interessantes para fazer parte da versão brasileira do reality. Eles me conheciam do programa Amaury Jr e depois da matéria que a Veja São Paulo fez comigo, acharam que eu me encaixava bem no perfil e fizeram o convite.
NT – O que você achou da repercussão do reality? Você imaginava fazer tanto sucesso?

VM – Eu gostei da repercussão. Apesar das críticas feitas por algumas pessoas, considero que foi positivo, principalmente pela recepção calorosa e o carinho do público. Eu achava que o programa ia ser bem sucedido, mas não imaginava toda esta repercussão. Ando pelo Brasil e cada vez mais vejo o sucesso do programa e o meu também.
NT – E a resposta do público nas ruas?

VM – É muito positiva. As pessoas me param na rua, dizem “Hello”, pedem champagne, tiram foto… Tudo sempre com muito respeito e carinho. E eu adoro!
NT – Quais são as expectativas para a segunda temporada, que foi confirmada recentemente pela Rede Bandeirantes?

VM – Eu li que foi confirmada, mas não assinamos nada ainda. Tenho certeza que a segunda temporada será um sucesso!
NT – Os preparativos então não começaram…

VM – Ainda não, pois como dito, não temos nada confirmado.
NT – Como é seu relacionamento com as outras participantes?

VM – A participante que mantive mais contato foi a Lydia. Foi com quem tive mais identificação. Ela, como eu, é uma mulher forte, corajosa, de personalidade, que não se preocupa em agradar a todos. Com as demais, por motivos diversos, não mantive muito contato!
NT – Depois da confusão envolvendo você e Amaury Jr., como ficou a relação de vocês? Vocês ainda se falam?

VM – Sinceramente, não houve confusão alguma entre mim e Amaury. Eu adoro e tenho muita consideração por ele, pois ele me deu a primeira oportunidade na TV. Graças a ele, pude chegar onde estou hoje. Considero como meu padrinho. Até hoje nos falamos.
NT – O “Pânico na Band” te convidou para você se tornar fixa no programa?

VM – Não houve um convite para me tornar uma participante fixa do programa, apenas para algumas participações. Gosto muito deles. Sempre fui muito bem tratada pela produção de lá, assim como toda a Rede Bandeirantes de Comunicação.
NT – Você não gosta que te chamem de Valdirene? Por que Rita Batista, apresentadora do “Muito +” sempre se refere a você desse jeito e os outros se referem como somente Val?

VM – Não tenho problemas que me chamem de Valdirene. Foi o nome que minha mãe me deu, tenho orgulho do meu passado, da minha família e também do meu nome. Confesso que não acho o nome mais bonito, mas não tenho vergonha. Apenas prefiro que me chamem por Val. É minha marca, meu nome artístico.
Não posso dizer porque a Rita Batista me chama assim. Não tenho nada contra ela. Quando participei do programa, ela fez diversas perguntas, até algumas acusações que eu não gostei, mas entendo o lado dela, de jornalista. Ela tem desempenhado um bom papel ao lado dos outros apresentadores do programa, tanto que o “Muito +” é um dos grandes sucessos desta temporada na Band.
NT – Você recebeu convite de outras emissoras, depois do sucesso de “Mulheres Ricas”?

VM – Sim, recebi alguns convites.
NT – E da Band, você recebeu proposta para algum trabalho na casa?

VM – Sim, recebi alguns. Tenho um grande carinho pela Band, a emissora que proporcionou ser conhecida no Brasil todo.
NT – As pessoas podem ter uma visão meio distorcida de você por causa do programa. Para finalizar, quem é Val Marchiori?

VM – Uma mulher guerreira, que sempre teve objetivos na vida e ao mesmo tempo, espontânea e sincera, que não tem medo de admitir o seu lado mais perua!
NA TELINHA

Xuxa abre o jogo

Confesso que escrevo ainda sem ter opinião formada sobre o depoimento de Xuxa para o “Fantástico”, exibido no último domingo (20) e que alavancou a audiência do dominical. Foram muitas as revelações e ainda maior a repercussão.
 
A parte em que a loira fala sobre Ayrton Senna muito me impressionou, pois o piloto mesmo já havia declarado numa entrevista que a única vez que sonhou em ser pai e ter família foi com a Xuxa. Os dois, pelo jeito, foram mesmo apaixonados. Xuxa e Senna, duas pessoas extremamente capacitadas e profissionais e ao mesmo tempo imaturas na vida pessoal.
 

Reprodução
 
Depois, no momento mais forte, Xuxa revelou ter sofrido violência sexual na infância. Um trauma que carregou oculto e, pode ser, explique um pouco o modo como lida com sua carreira e sua vida pessoal, reclusa em sua mansão, com dificuldade em se desvencilhar da imagem de eterna rainha dos baixinhos.
 
Mas o que mais me espanta são as reações das pessoas. Não foram muitas a se comoverem com o desabafo duro de Xuxa. A maioria não se sentiu tocada. Aliás, acho que as pessoas fazem muito pouco da Xuxa hoje, ela foi a maior estrela do Brasil por bem mais de 10 anos, tem três discos entre os mais vendidos de todos os tempos, foi uma referência para uma geração mas muitos recusam a aceitar que foram seus admiradores. São poucos os fãs que lhe sobraram.
 
Xuxa também colaborou para isso. Ela se perdeu em um certo momento da carreira e, assim como Gugu fez ao sair do SBT para tentar novos ares na Record (o que, bem da verdade, ele conseguiu apenas em parte), ela deveria ter feito. Mas agora já é tarde para isso. Deveria ter se afastado da tela para cuidar da sua marca (que fatura alto ainda) ou ter se dedicado a fazer releitura do seu próprio trabalho passado, como forma de valorizar suas músicas, o estilo que criou, enfim, o universo com X que existia ao seu redor. Infelizmente, hoje, só mesmo os fãs do tipo “mexeu com a Xuxa mexeu comigo” se interessam pelo que ela faz. 
 
É preciso refletir o que fez as pessoas a rejeitarem. Até mesmo no saudosismo dos anos 80, atualmente muito em alta, pouco se fala em Xuxa. Enquanto isso, outros artistas que fizeram muito menos do que ela são venerados e só agora ganharam reconhecimento.
 
NA TELINHA