Oscar Filho é processado por piada com jovem que teve paralisia facial

Oscar Filho é processado por piada com jovem que teve paralisia facial

Humorista e um dos repórteres do “CQC“, da Band, Oscar Filho foi processado por conta de uma piada que fez no Facebook em abril deste ano.

A família de uma jovem de 17 anos, que tem sequelas de paralisia facial, processou o repórter por causa da publicação de uma foto da menina com uma frase ao lado que dizia: “Você já se sentiu tão diferente que até sua própria imagem te acha estranho?”.

Oscar Filho foi bastante criticado por isso, e apagou o post. Porém, a jovem acabou vendo e ficou depressiva, levando sua família a entrar com um processo na 31ª Vara Cível de São Paulo (SP), pedindo R$ 109 mil de indenização por danos morais.

O advogado que representa a família, José Roberto de Carvalho, diz nos autos: “Oscar Filho, preconceituosamente e sarcasticamente aproveitou de uma foto da jovem e agrediu-a emocionalmente. Os efeitos negativos foram sentidos por ela, pela família e também por todos os conhecidos e desconhecidos”.

Ele também disse que Oscar Filho foi intimado em junho e tem 45 dias para apresentar sua defesa. O caso será encaminhado para o Ministério Público Federal (MPF) de São José do Rio Preto (SP) para possível investigação criminal, que logicamente ainda não foi iniciada.

Segundo a mãe da jovem, que preferiu não ser identificada, a filha teve problemas para sair de casa, pois era parada na rua por conta da publicação. “Ele vai pagar na Justiça pelo que fez, isso não se faz nem com um animal. Debochou de algo que é sério, não deveria ter feito isso e nem se desculpou”, disse ela ao site local Monte Aprazível Notícias, da região de Rio Preto.

Até o momento, o humorista não comentou o processo em nenhuma de suas redes sociais, nem mesmo quando procurado.

NaTelinha

Ney Franco deixa o Flamengo, e Luxemburgo vai assumir a equipe

Ex-atacante Deivid será o auxiliar técnico, enquanto Antonio Mello retorna para a preparação física do time rubro-negro. Luxa treina o time a partir desta quinta-feira

vanderlei luxemburgo flamengo x potosi (Foto: AP)

Vanderlei Luxemburgo foi demitido em 2012 após perder queda de braço com Ronaldinho (Foto: AP)

Três dias após a goleada sofrida por 4 a 0 para o Internacional, Ney Franco foi demitido do Flamengo. Desde que retornou ao clube para sua segunda passagem, o comandante não venceu. A equipe entrou em campo sete vezes, com quatro derrotas e três empates. Vanderlei Luxemburgo assumirá o comando rubro-negro a partir desta quinta-feira.

A diretoria rubro-negra, em seu site oficial, apenas informou a saída de Ney Franco, que tinha contrato até o fim de 2015. O preparador físico Alexandre Lopes e o auxiliar técnico Éder Bastos também deixaram o clube.

Essa será a quarta passagem de Luxemburgo pelo Rubro-Negro, tendo ao seu lado o ex-atacante Deivid como auxiliar técnico. Antonio Mello será o preparador físico e já participa do treino desta quarta-feira à tarde, no Ninho do Urubu. A estreia da nova comissão será no clássico deste domingo, contra o Botafogo, no Maracanã, às 18h30. O time está na lanterna do Brasileiro, com apenas sete pontos.

Luxemburgo não trabalha desde novembro do ano passado, quando foi demitido do Fluminense na reta final do nacional com o clube na zona do rebaixamento. Sua última passagem pela Gávea foi entre 2010-2012, quando venceu o Carioca de 2011. Antes, passou em 1991 e 1995, sem conquistas.

Há dois anos, Luxa foi demitido do clube em fevereiro ainda na gestão de Patricia Amorim após perder queda de braço com Ronaldinho Gaúcho, então astro da equipe. Porém, em maio, o meia-atacante entrou na Justiça e deixou o clube alegando atrasos no pagamento.

Queda anunciada

Ney Franco no treino do Flamengo (Foto: Marcos Tristão / Agência O Globo)

Ney Franco deixa o Flamengo após apenas sete

Ney Franco vinha sendo muito pressionado. Correntes dentro do clube questionavam o fato de a equipe não ter apresentado padrão de jogo mesmo após um mês de treinamentos durante a paralisação para Copa do Mundo e ter sido presa tão fácil para o Internacional. As opções táticas do treinador também vinham sendo questionadas internamente, assim como os improvisos realizados diante de Atlético-PR e Internacional. Somente nas duas últimas partidas, após a parada para Copa do Mundo, o treinador utilizou 18 jogadores e mudou o esquema do 3-5-2, muito trabalhado no período sem jogos, para o 4-4-2.

Na última terça-feira, o diretor executivo Felipe Ximenes concedeu entrevista no Ninho do Urubu, na qual disse que o momento era de “clareza na tomada de decisões”. O dirigente falou sobre Ney Franco e o garantiu no cargo.

 

GLOBO ESPORTE.COM

Rede Record não paga prêmio, e Russo diz ter sido explorado contra Globo

Geraldo Luís e Russo no Domingo Show; ex-funcionário da Globo ainda não recebeu prêmio da Record

Por PAULO PACHECO, em 23/07/2014 · Atualizado às 05h46

Um mês após participação no Domingo Show, o ex-assistente de palco Russo, 83 anos, ainda não recebeu da Record o prêmio prometido no ar pelo programa de Geraldo Luís: R$ 10 mil em dinheiro e uma máquina de estampar camisetas. Antônio Pedro de Souza e Silva, o Russo, também reclama de ter sido usado pela Record para atacar a Globo, que o afastou do trabalho em abril por causa da idade avançada e de problemas de saúde.

Segundo pessoas próximas, Russo contava com a máquina para aumentar a renda e o cheque de R$ 10 mil para comprar uma casa. Os prêmios foram creditados pela Record à Compacta Print, anunciante do programa. Atualmente, o ex-funcionário da Globo e sua mulher, Adriana Melo, moram em uma propriedade alugada no Rio de Janeiro. Nos bastidores, a Record prometeu quitar o aluguel do imóvel até dezembro e cumpriu. O que foi ao ar como presente, entretanto, ainda não foi entregue.

O ex-assistente de palco confessou a conhecidos ter se sentido usado pela Record para falar mal da Globo, algo que ele não queria fazer por ser grato à casa onde trabalhou durante 46 anos. A emissora paga ao ex-funcionário um auxílio de R$ 2.408,00.

Durante a entrevista, Russo disse que a Globo havia cometido uma “covardia” ao dispensá-lo, e Geraldo Luís concordou, passando a imagem de que a emissora concorrente da Record é cruel.

Russo também reclamou para amigos o pouco caso da Record após a participação dele no Domingo Show, no dia 22 de junho. Antes de acertar a entrega dos prêmios, a produção do programa o embarcou rapidamente em um avião de volta ao Rio, tratamento bem diferente ao dado a ele anteriormente, quando a emissora o hospedou em um confortável hotel fazenda no interior de São Paulo.

Russo confidenciou que depois se arrependeu de conceder entrevista à Record. Cinco dias antes do programa, Geraldo Luís apareceu na casa dele sem aviso prévio, já com câmeras a postos.

Dias antes, Russo tinha recebido uma ligação de Celso Portiolli para combinar uma entrevista para o Domingo Legal, do SBT, porém teve que negar o convite porque a concorrente já apareceu gravando e oferecendo estada em hotel.

Procurada pelo Notícias da TV, a mulher de Russo, Adriana Melo, confirmou todas as informações, mas não quis comentá-las. Limitou-se a dizer que eles preferem não receber mais emissoras de TV em sua casa. Eles iriam participar do Agora É Tarde, da Band, na última semana, mas a gravação foi cancelada.

A Compacta Print nega as informações e diz que entregou os prêmios a Russo uma semana após a gravação do programa, o que Adriana Melo nega. A Record não se manifestou até a conclusão deste texto.

James Akel comenta a última pesquisa eleitoral mostrando Dilma do Satanás empatada com Aécio Pegador De Miss

Alguém poderia elucidar o mistério que faz com que uma semana antes o DataFolha mostra pesquisa com Dilma e Aécio empatados no segundo turno e na semana seguinte Dilma ganhado de Aécio no segundo turno com 10 de diferença.

As pessoas ficam se questionando que universo foi este pesquisado que dá tamanha diferença.

Sem contar que Dilma deixou de lado suas aparições públicas e todo mundo sabe o motivo.

Dilma está fazendo concorrência com juiz de futebol.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 09h17  no dia 23.07.2014

James Akel comenta casos dos artistas que passaram pela Record e depois foram para a Globo

e6d71-rede-globo

64750-record2brj

O jornalista Flávio Ricco escreve em sua coluna de hoje que inúmeros artistas, e cita o nome deles, tiveram grandes passagens pela TV Record na área de novelas e seriados mas só deram ibope ou foram reconhecidos em seus trabalhos depois na TV Globo onde foram até um grande sucesso.

Ao final do texto o Flávio sugere que “Diante disso, e considerando os bons autores, diretores, a mão de obrano geral que a Record sempre teve, por que as suas novelas ainda encontram problemas e raramente alcançam melhores resultados? Alguém responde? Será que não é o caso de investigar?”.

Flávio é reconhecido até por seus pares, além dos diretores das emissoras, sendo o maior colunista  de tv do país.

É o que a gente chama da Bíblia do Jornalismo da TV.

Ninguém do ramo deixa de ler o Flávio um só dia e seu site pode ser acessado pelo UOL logo na madrugada.

Eu vou me permitir a um pequeno exercício de pensamento sobre o que Flávio sugeriu, embora o próprio Flávio, pela sua experiência na realização de programas de tv, acredito que saiba a resposta.

No meu exercício de pensamento eu vou colocar o meu sobrinho que entende de computadores, coisa que eu não entendo e nem me interesso em aprender.

Eu estava procurando um notebook pra comprar, coisa que não fiz até hoje por achá-los frágeis e nesta busca eu via que inúmeras marcas diferentes ofereciam o mesmo conteúdo por preços muito abaixo que a Sony e a Mac.

Então eu perguntei ao meu sobrinho porque com a mesma configuração, um custava 2 mil e outro custava 6 mil.

Então meu sobrinho me respondeu que a diferença estava na plataforma e que os mesmos conteúdos trabalham diferente dependendo da plataforma da marca.

Vou aqui similarizar o que meu sobrinho falou trazendo pras emissoras.

O motivo dos artistas da TV Record fazerem sucesso na TV Globo é a diferença de plataforma das emissoras.

A plataforma da TV Globo, embora desgastada, foi criada pelo Boni.

A plataforma da TV Record foi criada pelo Bispo Honorilton Gonçalves e Bispo Marcelo Silva.


Escrito por jamesakel@uol.com.br às 08h17 no dia 23.07.2014

James Akel comenta caso do antigo diretor do Programa Do Ratinho que pediu para registrar Pânico Na Band

O site Notícias da TV, editado por Daniel Castro, numa reportagem exclusiva de Paulo Pacheco, mostrou que um antigo diretor do Ratinho de nome Américo Ribeiro, deu entrada no INPI, que é o Instituto Nacional de Propriedade Industrial, pedindo o registro do nome Pânico na Band, que é o mesmo nome de um programa de tv que esta no ar na TV Band.

Entro neste mérito por ter conhecimento de fatos anteriores e os resultados destes.

Tanto faz se o ramo é TV ou comércio.

Lá no INPI cada caso é tratado em categorias.Vou dar exemplos de fatos que aconteceram.

Uma grande marca de moda chamada Prada entrou com pedido da marca aqui no Brasil.

Mas no ramo de comércio existia uma antiga marca de chapéus brasileira muito antiga, com nome Prada.

Ou seja, existia uma antiga marca de chapéus brasileira que estava em funcionamento por muitos anos, talvez tão antiga quanto a Prada na Europa.

Na disputa no Brasil a Justiça entendeu que a marca brasileira era antiga, tinha exercício de atividade bem longa e não foi registrada por ter conhecimento do nome Prada da Europa pra se valer dele.

Então, a cláusula de notoriedade não valeu pra Prada da Europa que teve que acabar comprando a marca brasileira que mudou de nome pra outro nome Pralana.

Tem outro caso que também uma marca de modada francesa muito antiga de nome Hermès, entrou no Brasil pedindo registro no INPI e apareceu que o nome Hermes, sem acento, pra comércio, tinha registro antigo de uma conceituada loja que vende tudo por catálogos e que está baseada no Rio e seu fundador Hermes colocou seu nome na loja.

A Hermès francesa entrou pedindo o registro por antiguidade notória mas perdeu porque o comerciante Hermes do Rio fez o registro há tantos anos que no Brasil não tinha conhecimento desta marca, ou seja não vale o item notoriedade.

Mas o caso em questão, a contestação tanto do dono do programa da tv, que é o Tutinha, quanto do dono da TV Band que é Joãozinho Saad, deve ir pelo caminho da notoriedade sim porque o programa passou por muitos anos nnuma rede nacional que era a RedeTV e agora em outra rede nacional que é a TV Band, fato que cabe a defesa e contestação pela notoriedade, tanto pelo ibope de 6 em média, o que significa ao menos 3 milhões de pessoas, quanto das contínuas notícias em jornais e outras mídias.

Até pelo fato do antigo diretor do Ratinho ser do ramo não pode alegar ignorância do nome de um programa de tv.

Na entrevista dada ao site Notícias da TV o Américo Ribeiro alega que o termo que ele pediu registro é de um projeto antigo seu de programa policial que quer colocar no ar e que o nome original seria Pânico na Bandidagem e que ele abreviou pra Pânico na Band.

Nesta caso cabe até um processo criminal contra a comparação do nome Band com Bandidagem.

A rede de Joãozinho Saad tem a marca de TV Band e ao se ver comparada a marca de sua emissora com a bandidagem, cabe sim o processo baseadona própria entrevista do autor do pedido de registro pra programa.

 

Escrito por jamesakel@uol.com.br às 07h59 no dia 23.07.2014

Virgin Australia axes Melbourne to Los Angeles services, announces daily flights to Brisbane

July 23, 2014 – 1:15PM

Jamie Freed

Virgin heavy maintenance crew discovered a fault on Wednesday.

There will be no more direct flights from Melbourne to LA for Virgin Australia passengers. Photo: Glenn Hunt

Virgin Australia will increase flights from Brisbane to Los Angeles to a daily service and abandon its Melbourne-Los Angeles flights as rival United Airlines enters the latter route in October.

Virgin had provided a three-weekly service between Melbourne and Los Angeles and a four-weekly service between Brisbane and Los Angeles on a Boeing 777-300ER, but now the Brisbane route will go daily from October 26.

United Airlines begins its direct, six-weekly Melbourne-Los Angeles flights on a new 787-9 Dreamliner aircraft on October 28, ending its previous tag flight from Melbourne to Sydney that allowed Melbourne customers to then catch flights from Sydney to Los Angeles and San Francisco.

Virgin said had made the decision to change its US flights after consulting with its trans-Pacific alliance partner Delta Air Lines.

There had been widespread speculation in the travel industry that Virgin would make this change after United in February announced its plans to enter the Melbourne-Los Angeles route.

Qantas Airways, which offers a daily A380 service from Melbourne to Los Angeles, has not shirked from United’s challenge. It will add a 747 service on top of its A380 service on some days in the peak Christmas/New Year period.

Virgin chief operating officer Judith Crompton said the changes announced by her airline were the result of extensive market analysis.

“Having the right frequency is very important to corporate and leisure customers and moving to daily flights from Brisbane enables us to provide more choice and flexibility to those travelling to and from Queensland,” she said.

Virgin is expected to unveil an upgrade to the business class of its 777 aircraft later this year. The current seating configuration of 2-3-2, unlike that used by partner Delta, does not provide for direct aisle access.

Between the pair, Virgin and Delta offer two daily flights to Los Angeles from Sydney. Ms Crompton said Melbourne passengers would be able to fly to Sydney or Brisbane and connect with a flight to Los Angeles from those ports on one ticket with checked-through baggage after the Melbourne-Los Angeles service was abandoned.

Brisbane Airport Corporation said it welcomed Virgin’s decision to add flights from the Queensland city, in a move that will boost Brisbane-Los Angeles capacity by 2166 seats a week.

Qantas is the only other airline to offer direct Brisbane-Los Angeles flights, which it does daily on a 747.

Virgin and Delta have been flying to the US since 2008, when they broke a long-running duopoly between Qantas and United on flights from Australia to the mainland US. Jetstar, Hawaiian Airlines and Qantas offer flights between Australia and Hawaii.

Source : The Sydney Morning Herald